Médico preso em rinha de cães em SP é de Goiás e teve que pagar quase R$ 60 mil de fiança

Médico preso em rinha de cães em SP é de Goiás e teve que pagar quase R$ 60 mil de fiança

O médico Leônidas Bueno Fernandes Filho, que foi preso suspeito de participar de rinha de cães em São Paulo, é goiano e precisou pagar uma fiança de 60 salários mínimos – R$ 59.880,00 – para ser solto. A informação consta no Termo de Audiência de Custódia ao qual o G1 teve acesso. Vereadores de Goiânia aprovaram requerimento para que ele tenha o registro suspenso junto ao Conselho Regional de Medicina em Goiás (Cremego).

O G1 tenta localizar a defesa do médico. Um parente dele, que preferiu não se identificar, disse à reportagem que Leônidas já deixou a prisão e está a caminho de Goiânia. O familiar acredita que o médico é inocente e foi preso por estar no lugar errado.

“O que eu ouvi de terceiros é que ele tinha ido participar de outra modalidade de competição e estava junto do pessoal e acabou que foi detido também. Ele gosta de modalidades como escalonamento e saltos, que estava tendo lá simultânea a essa. Ele não participa de rinha”, afirmou.

A assessoria de imprensa do Cremego informou, em nota, que o órgão não vai comentar o assunto.

Leônidas e mais 40 pessoas foram detidas no último sábado (14), em Mairiporã. Em audiência de custódia, somente uma pessoa seguiu presa. Ainda de acordo com o documento, assinado pelo juiz André Luiz da Silva da Cunha, a fiança cobrada de Leônidas foi a de maior valor entre todos os presos.

Vídeo: Justiça mantém prisão de 1 detido na rinha em Mairiporã.

Nele, o magistrado afirma que “os fatos atribuídos aos autuados são repugnantes” e citou que “os cães eram colocados para brigar até a morte”. No entanto, salienta que os presos são primários, possuem residência fixa e que a liberdade deles não coloca em risco a ordem pública.

De acordo com a Polícia Civil, o médico e mais um veterinário, também preso, eram responsáveis por reanimar os cães machucados durante as lutas.

A decisão que soltou Leônidas solicita ainda que seja oficiado o Conselho Regional de Medicina de Goiás sobre a prisão ocorrida, anexado uma cópia do boletim de ocorrência.

Aviso imagens fortes. — Foto: Arte/G1

Moção de repúdio

A Câmara Municipal de Goiânia aprovou, em sessão nesta terça-feira (17), uma moção de repúdio na qual pede a “suspensão imediata” do registro de Leônidas junto ao (Cremego).

O documento foi proposto pelo vereador Zander Fábio (Patriota), que é presidente da Comissão de Proteção, Direitos e Defesa dos Animais da Câmara. A indignação ao ver a forma como os animais eram tratados, segundo ele, motivou a moção, que contou com a assinatura de 24 parlamentares.

“[O sentimento é de] indignação total ao saber o modo como eles agiam. Parece uma seita porque eles comiam [os cães] em forma de churrasco e davam as outras partes para os animais”, disse ao G1.

Na moção, o parlamentar afirma que no local foram encontrados um animal morto e 19 feridos e que até a polícia se sensibilizou com a situação encontrada, “digna de um filme de terror”.

Cachorros estavam muito machucados.— Foto: Polícia Civil do Paraná/Divulgação
Voluntários de ONGs resgatam cães que participavam de ‘rinha’ em Mairiporã, SP; 41 presos passam por audiência de custódia
Pit bull que participava de rinha de cães em Mairiporã. — Foto: Marcelo Assunção/ TV Globo
Aviso imagens fortes. — Foto: Arte/G1

 

Churrasco de carne de cachorro era servido na rinha, de acordo com a Polícia Civil. — Foto: Polícia Civil do Paraná/Divulgação
Cachorro da raça pit bull encontrado em rinha de cães ilegal em Mairiporã, Grande São Paulo. — Foto: Reprodução/TV Globo

Por Sílvio Túlio

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.