Menino constrói cadeira de rodas de Lego para cachorra deficiente

Menino constrói cadeira de rodas de Lego para cachorra deficiente
Foto: Reprodução/ Cães Online

Gracie é uma cachorra adorável, que foi abandonada ao nascer. Ela foi jogada fora logo que os antigos tutores perceberam que ela era deficiente: Gracie tinha nascido sem as patas dianteiras, mas um menino de 12 anos conseguiu contornar a situação, construindo uma cadeira de rodas com peças de Lego.

Lego é um brinquedo com peças de encaixar, criado na Dinamarca de 1934 e popular em todo o mundo. Os famosos tijolinhos de plástico permitem a construção dos mais diversos objetos e de muitas histórias com eles, estimulando a criatividade e o raciocínio.

Com esses elementos, inteligência e muita engenhosidade, Dylan, um menino residente em Kennesaw, na Geórgia (sul dos EUA) conseguiu dar mobilidade para a cachorra Gracie, proporcionando uma segunda oportunidade para a cachorra.

A história de Gracie

Gracie é uma cachorra de pequeno porte sem raça definida, que foi jogada no lixo com poucas horas de vida. A peludinha foi encontrada em uma lata de lixo, coberta de larvas. Ela nem sequer tinha sido limpa depois do parto.

O motivo de tanta crueldade é que Gracie nasceu deficiente. Ela não desenvolveu as pernas dianteiras durante a gestação e os antigos tutores simplesmente decidiram que ela não tinha direito à vida. Felizmente, ela foi encontrada a tempo.

A cachorrinha foi resgatada e abrigada em um abrigo de Kennesaw. Na avaliação veterinária, constatou-se que ela estava desnutrida e exaurida. As larvas haviam roído o cordão umbilical e a pet tinha perdido toda a pelagem do rosto, especialmente em torno dos olhos.

A família Turley, proprietária do Mostly Mutts Animal Rescue and Adoption (“mostly mutts”, em português, significa “principalmente vira-latas”), compreendeu rapidamente a situação. A probabilidade de Gracie encontrar uma família era mínima, em função da dificuldade de locomoção.

Fonte: Portal Cães Online via Metrópoles

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.