Menores são filmados levantando apostas e entregando drogas em uma corrida de galgos na Argentina

Menores são filmados levantando apostas e entregando drogas em uma corrida de galgos na Argentina

A denúncia da Associação Protetora de Plottier está respaldada por um vídeo onde fica exposto não somente a violência animal, mas também a exploração infantil. Durante uma corrida ilegal de galgos nessa localidade, um grupo de menores recebe apostas e entrega drogas em seringas para os cães.

“No fim de semana do dia 24 de outubro entramos em uma corrida de galgos que foi realizada na zona de China Muerta e pudemos fotografar e filmar, foi então que descobrimos os menores trabalhando”, contou Fabiola Platero, da APA Plottier em uma declaração para a imprensa.

Enquanto alguns dos garotos se encarregavam das apostas outros entregavam seringas com drogas que foram injetadas aos animais para que eles se saíssem melhor durante a corrida. Eles também repartiam cocaína para os apostadores. Esse foi o cenário descrito na denúncia que já está radicada no Ministério Público de Neuquén.

A denúncia por maus-tratos animal e trabalho infantil foi radicada em 28 de outubro no Ministério Público, onde entregaram todo o material obtido. Entretanto, quando ligaram na última quarta-feira (4) para ver como andava a investigação, escutaram que “ainda estava na mesa de entrada e não tinha nenhum promotor designado para o caso”. “Na sexta-feira (6) vamos consultar o andamento de novo”, contou a protetora.

A corrida do dia 24 de outubro foi maquiada, com o nome de “destrezas do galgo”. A jornada teve quase 20 corridas e o maior prêmio chegou aos 20 mil pesos argentinos (cerca de R$ 8.000).

As apostas eram recebidas em um pátio de toras, onde havia um homem adulto junto a uma garota de 15 anos e um garoto de 11. A Associação gravou um vídeo no momento em que o garoto levantava uma aposta que começou com 30 pesos (cerca de R$ 12).

Fonte: Info News 23 


Nota do Olhar Animal: A similaridade entre o vínculo desta atividade na Argentina com outros crimes e o que ocorre em torno das rinhas no Brasil não é mera coincidência. A ação criminosa raramente se restringe aos maus-tratos aos animais, o que já é muito grave. É uma constante estar associada a outras atividades ilícitas e danosas. 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.