Milhares de animais salvos em operação que culminou em Portugal

Milhares de animais salvos em operação que culminou em Portugal
Fotos: GNR

Uma operação coordenada pela Interpol e lançada em 43 países para combater o comércio ilegal de animais, culminou em Portugal com a GNR a resgatar um chimpanzé fêmea, 63 aves, 12 cobras, quatro suricatas e um coati, apurou o JN.

No total da operação, foram confiscadas 4770 aves; 1240 répteis, entre os quais 560 tartarugas; 100 gatos selvagens; 2,75 toneladas de escamas de pangolina; 2,54 toneladas de marfim bruto e transformado; 25 toneladas de várias partes de animais, incluindo carne, chifres e penas; e 37.130 derivados e produtos transformados, como medicamentos, ornamentos e esculturas.

Segundo a Interpol, foram identificados pelas polícias dos países envolvidos na operação cerca de 900 suspeitos. Em consequência, foram abertas 370 investigações e, entretanto, detidas 89 pessoas.

Os resultados da operação “Thunderbird” foram conhecidos esta quinta-feira, véspera do Dia Mundial da Vida Selvagem, e, segundo a Interpol, “marcam o compromisso contínuo de apoiar os seus 190 países membros na luta contra todos os tipos de crimes ambientais”.

Para Jurgen Stock, secretário-geral da organização internacional de polícia, “o tráfico de animais selvagens cresceu nos últimos anos, gerando bilhões de lucros ilícitos. O sucesso desta operação é uma demonstração do que pode ser alcançado pela colaboração transnacional na aplicação da lei e a determinação dos países em combater a criminalidade ambiental”, concluiu o chefe da Interpol, em Lyon, França.

Em Portugal, a “Thunderbird” contou com a atuação no terreno das equipas do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) dos Comandos Territoriais da GNR, além de outras entidades, como Autoridade Tributária, em ações de fiscalização nos aeroportos, portos e estações dos CTT e ainda com o apoio do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas.

Em Portugal, além do resgate de espécies, entre as quais do chimpanzé fêmea, numa quinta em Arruda dos Vinhos, as equipas da GNR fiscalizaram 4311 animais e 345 operadores, bem como 168 estabelecimentos comerciais, 87 operadores económicos de madeira, 50 serrações e 41 empresas transformadoras de madeira, tendo sido detetadas 57 infrações.

Por Valdemar Pinheiro 

Fonte: Jornal de Notícias / mantida a grafia lusitana original

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.