Milhões de animais mortos: o furacão Florence acende o alarme sobre a criação intensiva

Milhões de animais mortos: o furacão Florence acende o alarme sobre a criação intensiva

A passagem do furacão Florence, na costa leste dos Estados Unidos, causou a morte de 41 pessoas, mas o triste balanço continua a subir. Entre as vítimas desse desastre natural também estão os animais, especialmente aqueles que são forçados a viverem em fazendas de criação intensiva.

3,4 milhões de galinhas e perus, 5.500 porcos teriam morrido como resultado da inundação causada pelo furacão Florence. A informação vem do Departamento de Agricultura da Carolina do Norte.

“Foi uma tempestade sem precedentes com inundações que excederam todas as expectativas. Sabemos que também na agricultura haverá perdas significativas porque as inundações afetaram seis municípios do nosso estado”, disse o comissário de Agricultura Steve Troxler em um comunicado.

Como dizíamos, também os animais são vítimas diretas desta calamidade e, se muitos cães e gatos foram salvos, um destino melhor não se foi dado aos porcos, galinhas e perus que viviam confinados.

As fotos aéreas mostram as fazendas completamente submersas pela água e o balanço dos animais mortos é muito alto, ainda que seja impossível fazer uma estimativa precisa.

De fato, há aqueles que morreram devido à tempestade de vento, à água ou ao colapso de edifícios. E ainda há muitos outros porcos que estão morrendo de fome.

Durante a tempestade, os criadores tentaram remover os animais, mas dado o elevado número deles, era impossível e, assim, paradoxalmente, o furacão Florence trouxe à tona a inutilidade da criação intensiva de animais.

Sabemos que a maioria dos porcos, galinhas e perus eram destinados ao abate, mas os ativistas dos direitos animais veem o número de mortos como reflexo de um sistema que não pensa minimamente no bem-estar animal.

“Os animais são tratados como mercadoria e não como seres vivos que têm o direito de viver, são colocados em uma gaiola e é impossível para eles escaparem quando desastres atacam a cidade”, diz Susie Coston, diretora do abrigo Farm Sanctuary.

Não só isso, o impacto do furacão Florence nos confinamentos também apresenta riscos para a saúde humana, pois todos os excrementos dos animais podem acabar indo parar nas lagoas e representam um perigo para as pessoas com um sistema imunológico baixo, bem como para todo os ecossistemas aquático e marinho.

Fonte: GreenMe


Nota do Olhar Animal: O alarme que soa não refere-se só à criação intensiva, mas sim a todo o sistema de exploração animal e aos danos causados a estes seres, independentemente da forma como são criados.

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.