Milionário espanca cão ao se ‘vingar’ de ex-mulher; imagem choca!

Milionário espanca cão ao se ‘vingar’ de ex-mulher; imagem choca!
Marcas de agressão no cão (Crédito: Reprodução)

Animais de estimação são tratados como filhos e o amor que se tem por eles é algo inexplicável. Imagine receber a notícia de que seu cachorro foi vítima de maus-tratos por parte do seu ex-cônjuge. Foi isso que aconteceu com a ex-mulher de Luiz Claudio Schedel de Toledo, CEO e herdeiro da Bell Type Industries Ltd.

A agressão contra Nick aconteceu durante o processo de separação do casal. Quando a mãe, que ficou com a guarda dos filhos e também com o cãozinho, viajava, ela deixava o cãozinho aos cuidados de uma vizinha, que recebia dinheiro para comprar ração, tapetes higiênicos e tudo que fosse preciso para garantir seu bem-estar. Por acordo, quem pagava esses custos era Luiz Claudio Schedel de Toledo.

Luiz Claudio Schedel de Toledo (Foto: Reprodução)
Luiz Claudio Schedel de Toledo (Foto: Reprodução)

Numa dessas viagens, Luiz decidiu levar o cachorrinho para sua casa, para evitar os gastos com a vizinha. O bichinho ficou com ele por um mês, período em que sofreu os maus tratos. Ao invés de devolver Nick para a ex-esposa, Luiz Claudio o encaminhou para a clínica veterinária All Pet, localizada em São Paulo, deixando instruções para Nick tomar banho e depois ser retirado pela dona. Foi quando o veterinário João Marcelo constatou hematomas e sinais de maus tratos.

“Ele chegou aqui no pet shop dizendo que era para dar banho no Nick e depois ligar para a dona dele que ela viria buscar. Mas, diante da situação eu liguei para ela e alertei sobre o estado que o cão se encontrava, avisando que ele precisava passar por exames”, explica o veterinário João Marcelo, da All Pet. A mulher só viu como o cachorrinho estava quando foi buscá-lo. Diante disso, o Ministério Público abriu um inquérito policial contra Luiz Cláudio.

“Peguei o diagnóstico escrito à mão pelo o veterinário, e também o email que ele me passou descrevendo o estado do Nick, e fui na delegacia. Os documentos produzidos pela All Pet relatavam todo o estado do meu cãozinho, diziam que ele chegou em péssimas condições e com hematoma na região abdominal, além de ter vários nós nos pelos e estar sem tomar banho há muito tempo. Foram receitados antibiótico e analgésico para ele tomar por 10 dias”, conta ela.

Crédito: Reprodução
Crédito: Reprodução

Segundo a Lei 9.605/98, em seu art. 32, ” praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos “, gera pena de detenção de três meses a um ano, além de multa.

Por Romário Antunes

Fonte: IG via Meionorte

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.