Ministério Público abre investigação para apurar supostos maus-tratos no Zoo do Beto Carrero

Ministério Público abre investigação para apurar supostos maus-tratos no Zoo do Beto Carrero
MP de Piçarras instaurou inquérito terça-feira, dia 7

O promotor Luis Felipe de Oliveira Czesnat, da 2ª PJ de Balneário Piçarras, instaurou um inquérito civil público para apurar denúncias de maus-tratos supostamente cometidos no zoológico do Parque Beto Carrero.

Em janeiro, Anderson Valle, funcionário do Ibama, esteve no parque e gravou vídeos em alguns pontos do Zoo do parque onde afirmava que os animais estavam sendo mantidos de maneira errada. “Sombra só para quem está olhando. Para os animais é sol o dia inteiro”, disse em um dos vídeos em tom de crítica.

A Sociedade de Zoológicos e Aquários do Brasil (SZB) saiu em defesa do parque após a repercussão dos vídeos publicados pelo ambientalista. Segundo a entidade com sede em Pomerode, todas as instalações do Beto Carrero estão de acordo com a legislação.

A investigação do MP terá como base o artigo 32 da leis dos crimes ambientais (9.605/98), que prevê detenção de três meses a um ano, e multa, para quem praticar atos de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos.

O MP ainda vai apurar se há irregularidades decorrentes do descumprimento de três normativas do Ibama: 4/2002, 169/2008 e 7/2015. Elas tratam da obtenção do registro de jardins zoológicos no Brasil e normatização das categorias de uso e manejo da fauna silvestre em cativeiro no território nacional. Procurado, o parque ainda não se manifestou.

Por meio de assessoria, a 2ª Promotoria de Justiça de Piçarras informou que o inquérito não tem data para ser concluído e que inicialmente o MP fará uma série de diligências “visando a comprovação do que foi relatado na denúncia, e caso confirmado, ingressará com ação civil”

Confira abaixo um dos vídeos gravados por Anderson dentro do parque.

Fonte: Notícias de Penha/SC

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.