Mogi das Cruzes (SP) passa a contar com serviço de resgate de animais de médio e grande porte

Mogi das Cruzes (SP) passa a contar com serviço de resgate de animais de médio e grande porte

A cidade de Mogi das Cruzes passou a contar com serviço de resgate de animais de médio e grande porte, como suínos, caprinos, ovinos, equinos e similares.

Realizado pelo Prefeitura Municipal, por meio de uma empresa contratada, o serviço funcionará 24 horas por dia, inclusive aos finais de semana e feriados. O trabalho envolve apreensão, transporte, guarda, tratamento veterinário, alimentação e posterior destinação do animal.

De acordo com a administração municipal, os munícipes poderão denunciar ou solicitar casos de recolhimento de animal em via pública pelo telefone 153. A Guarda Municipal de Mogi das Cruzes acionará a empresa responsável pelo serviço, para que seja feita a vistoria e, caso seja necessário, o recolhimento. Nas demais ocorrências (maus tratos e criação inadequada) a denúncia deverá ser feita via aplicativo Colab.

Segundo a Prefeitura de Mogi das Cruzes, os animais recolhidos serão mantidos sob os cuidados do Núcleo de Bem Estar Animal (Nubea), em Cezar de Souza, por até oito dias. Se após este prazo eles não foram resgatados, passam a ser propriedade da Prefeitura, conforme Lei Complementar Municipal 11/2002.

“Abandono de animal é crime. Fizemos uma contratação importante, porque além dos animais de pequeno porte, os de grande porte também são abandonados. Após uma indicação da vereadora Fernanda Moreno, fizemos um processo de licitação e contratamos, há pouco mais de um mês, um serviço de resgate”, disse o prefeito Caio Cunha.

“Causa animal não é só para cão e gato, mas também para cavalos, muares, suínos… enfim, muitas espécies que agora são protegidas por esse novo projeto aqui em Mogi das Cruzes, que conta também com um canal de denúncia de abandono, pelo telefone 153”, afirmou a vereadora Fernanda Moreno (MDB).

Os proprietários dos animais abandonados estarão sujeitos ao recolhimento de preços públicos, referentes à apreensão e transporte, diárias, microchipagem (dos animais que não possuem identificação) e taxa de resgate.

Por Leandro Cesaroni

Fonte: NM Notícias de Mogi

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.

Deixe um comentário