Moradora perde 8 cães filhotes afogados durante enchente em Ribeirão Preto (SP): ‘filme de terror’

Moradora perde 8 cães filhotes afogados durante enchente em Ribeirão Preto (SP): ‘filme de terror’

Para a diarista Márcia Valéria do Nascimento, de 51 anos, a enchente que deixou diferentes bairros alagados em Ribeirão Preto (SP) na segunda-feira (26) representou a perda de oito cães filhotes que morreram afogados dentro de sua casa.

Os animais estavam em uma área externa do imóvel, no Jardim Procópio, quando a Rua Coronel Batista e o Parque Tom Jobim foram tomados por uma correnteza. Apesar dos esforços de retirar os bichos com vida da residência, somente foi possível salvar a mãe dos bichos, Mocinha, quase levada pela enxurrada, e seu filhote Thor, o único que não se afogou.

“Não teve como salvar os cachorrinhos. Foi uma coisa de filme de terror, eu nunca tinha visto isso daqui”, afirma.

Segundo ela, apesar do problema ser antigo no bairro, a Prefeitura nunca tomou uma providência à altura de melhorar o escoamento da chuva na região.

Convidado pela EPTV, afiliada da TV Globo, a avaliar locais problemáticos como o Jardim Procópio, o engenheiro civil Anderson Manzoli atribui as enchentes à falta de planejamento na expansão urbana e ao acúmulo de lixo nos bueiros por onde a água deveria escoar.

“É melhor investir um dinheiro antes e fazer certo do que ter que investir mais dinheiro depois pra ficar corrigindo os problemas que um bom projeto poderia ter resolvido antes”, afirma.

A Secretaria Municipal de Infraestrutura informa que a Prefeitura busca soluções, mas locais como esses são críticos e dependem de obras complementares.

DESESPERO

Quando começou a chover, Márcia relata que estava dentro de casa, que fica nos fundos de outro imóvel, e até então não imaginava a proporção das águas. A cachorra Mocinha e seus nove filhotes – nascidos no início de março – estavam em uma área externa mais à frente.

“A hora que abri a porta eu vi a enxurrada. Aí esperei um pouco e escutei minha cachorra chorar”, conta.

Em desespero, ela saiu se escorando na parede em busca dos animais, mas já era tarde. A mãe e os nove filhotes estavam todos na água, oito deles mortos. A diarista afirma que conseguiu resgatar o filhote Thor e precisou da ajuda de uma vizinha, que conseguiu evitar que Mocinha fosse levada pela correnteza na hora em que ela abriu o portão da casa para sair.

As águas, segundo os moradores, chegaram a um metro de altura e foram suficientes para arrancar parte do asfalto da rua e arrastar um trailer. “A hora que abri o portão a cachorra saiu na correnteza e a vizinha a pegou pela pata.”

Márcia relata ainda que Mocinha precisou ser contida, pois queria ir em busca dos demais cães. “Ela ficou desorientada, queria ir atrás dos cachorrinhos”, diz.

Há dois anos na casa, Márcia agora pensa em se mudar depois do que aconteceu. “Todas as vezes que chove alagam casas, mas desse jeito eu nunca tinha visto.”

Fonte: Mix Vale

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.