Moradoras denunciam mortes de gatos por envenenamento em Batayporã, MS

Moradoras denunciam mortes de gatos por envenenamento em Batayporã, MS
Crédito: Acácio Gomes - Nova News

As gêmeas Anna Júlia Caseiro Domingos e Maria Fernanda Caseiro Domingos, 21 anos, residentes em Batayporã, denunciaram a ocorrência de mortes de gatos, supostamente por envenenamento.

Segundo elas, nos últimos dias, dois gatos pertencentes à família, residente na Rua Valdir Sãovesso, em frente ao Residencial Ivo Pereira de Souza, foram mortos por envenenamento, sendo um no dia 30 de junho e o outro neste domingo (11).

As informações foram dadas ao site Nova News. 

“O primeiro, um filhote de três meses, apareceu morto no quintal. A princípio não entendemos a causa da morte, mas ficamos desconfiadas de envenenamento”, afirma Anna Júlia.

Maria Fernanda explica que o outro gato morreu dentro de casa. 

“Ele chegou e o colocamos para dentro, sendo que, em seguida começou a passar mal, com sintomas típicos de envenenamento, como salivação excessiva e vômito”, explica ela, ao detalhar que o animal, antes de morrer, expeliu alimentos como carne, salsicha, sendo que, na casa onde viviam, eram tratados com ração.

Segundo as gêmeas, em conversa com outras pessoas da vizinhança, algumas delas noticiaram também o desaparecimento de vários gatos naquela região. “Acreditamos que muitos deles tenham sido envenenados também, porém, como eles morrem longe de casa, são dados apenas como desaparecidos”, pontuam elas.

Anna Júlia e Maria Fernanda classificam o fato como uma crueldade. “No nosso caso, os dois gatos foram adotados pela nossa família após serem encontrados abandonados. A gente cuida, trata com todo o carinho e aí alguém simplesmente os mata. É muito cruel”, desabafam.

Às duas foram orientadas a procurar à polícia e registrar boletim de ocorrência. 

Em setembro de 2020, o presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei 1.095/2019, que aumentou a punição para quem praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais. Conforme a nova legislação, a pena passou de dois a cinco anos de prisão, além de multa.

Por Nathalia Pelzl

Fonte: Top Mídia

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.