Moradores adotam ‘cães comunitários’ em ruas de Uberaba, MG

Moradores adotam ‘cães comunitários’ em ruas de Uberaba, MG

Projeto de lei ‘Cão e Gato Comunitário’ foi aprovado em junho de 2016. Eles moram na rua e recebem cuidados, água e comida diariamente.

Muitas famílias fazem questão de adotar um bichinho de estimação, mas às vezes as pessoas começam a fazer parte da rotina daqueles animais que vivem nas ruas e estão sempre no mesmo lugar. A população acaba se acostumando e afeiçoando a eles. Moradores de Uberaba resolveram colocar em prática o projeto de lei ‘Cão e Gato Comunitário’, que foi aprovado em junho de 2016.

O Projeto prevê que os animais que permanecem na rua recebam cuidados de pessoas da comunidade, estabelecendo uma relação de dependência, convívio e carinho, mesmo que não possuam um responsável único e definido. É preciso oferecer todas as condições para que os animais tenham uma vida saudável. Eles recebem cuidados médicos, água e comida diariamente.

No Bairro São Benedito, o Snoopy tem até casa própria, mas depois que começou a receber cuidados e carinho dos moradores, principalmente do comerciante Antônio Fernandes, conhecido como Toninho, prefere ficar na rua. Ele conta que ninguém mexe ou maltrata o cão. “Quem não ajuda, não atrapalha. Todos sabem que ele é o cão comunitário daqui”, explica Toninho.

A professora Maria Severina Fernandes, esposa de Toninho, conta que o dono do cão até apareceu para buscá-lo, mas o animal nunca quis ir embora. “Fiquei aliviada, pois já tinha me apegado muito a ele, faço até roupinhas para ele. Só não o levamos para dentro de casa ainda, por conta de outras duas cachorrinhas que temos e pelos vizinhos, afinal todo mundo é um pouco tutor”, diz a professora.

Já em um condomínio no Bairro Condomínio Residencial Mário Franco, há dois cães comunitários, a Gigi e o Toquinho. A condômina Regiane Roque explica que no local as responsabilidades são todas compartilhadas. Eles dormem em um colchonete na garagem dela, no vizinho da frente fica o potinho de ração para eles se alimentarem e na outra casa eles gostam de brincar.

A cadela Gigi precisou ser castrada e todo mundo do condomínio pagou um pouco. Regiane ainda conta que os cachorros são extremamente fiéis aos tutores. “Um ladrão entrou em minha casa, a Gigi pulou no pescoço do homem e assim pude fugir com a minha bebê no colo. A cachorrinha é uma verdadeira heroína”, conta ela.

Fonte: G1

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.