Moradores do Bairro Brejal estão preocupados com casos de animais envenenados em Pouso Alegre, MG

Moradores do Bairro Brejal estão preocupados com casos de animais envenenados em Pouso Alegre, MG
Só neste mês, mais de 20 animais já foram envenenados na zona rural de Pouso Alegre. — Foto: Reprodução/EPTV

Moradores de Pouso Alegre (MG) estão preocupados com o aumento de casos de animais envenenados, na zona rural do município. Segundo os moradores do Bairro Brejal, as gatas e cadelas grávidas são abandonadas e depois que os filhotinhos nascem, eles são envenenados. No último mês foram registrados mais de 20 casos de cães e gatos mortos.

Vídeo: Moradores da zona rural estão preocupados com casos de animais envenenados em Pouso Alegre.

Os moradores informaram que a Polícia Militar de Meio Ambiente já foi acionada e que já foi registrado um boletim de ocorrência, mas, que até o momento, nenhuma providência foi tomada.

“Não tem investigação e não tem câmera gravando nada. Desse jeito, isso vai continuar. Eu comecei a divulgar nas redes sociais, porque eu estava indignada. O povo coloca veneno para os animais. É uma morte dolorosa e demorada”, afirmou Lindalva Gomes dos Santos, moradora do bairro.

Moradores do Bairro Brejal estão preocupados com os casos de envenenamento de animais. — Foto: Reprodução/EPTV

Além dos moradores, uma ONG de proteção animal também acompanha a situação.

“Não foi a primeira vez. Esta é a segunda ninhada que morre envenenada. A primeira foram 10 filhotes e na segunda foram mais 10. Hoje tivemos a notícia de mais um gato envenenado. A gente não consegue monitoramento desta região para saber quem faz isso. Como é um lugar afastado, o abandono é muito grande. A gente precisa de justiça”, explicou Verônica Gonçalves Albinati, protetora de animais.

Segundo informações da prefeitura de Pouso Alegre, os casos estão sendo acompanhados pela defesa civil do município. A Polícia Civil informou que a pena para quem praticar abuso, maus tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos, é de três meses a um ano de prisão, além de multa.

Até o momento desta publicação, a Policia Militar de Meio Ambiente ainda tinha se manifestado. Quem tiver informações pode entrar em contato com a secretaria de bem-estar animal ou com a defesa civil do município.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.