Moradores têm dificuldade para registrar denúncias de maus-tratos a animais na Central 156

Moradores têm dificuldade para registrar denúncias de maus-tratos a animais na Central 156

Há alguns meses, o Marcos – que prefere não ter o nome completo revelado – acompanha a situação de um cachorro acorrentado para o lado de fora de uma residência no bairro Sítio Cercado, em Curitiba. Ele conta que o cão está sem água, sem comida e sem abrigo.

Indignado com a situação, Marcos buscou o canal de denúncias da Central 156 da Prefeitura, mas não teve sucesso para resolver o problema. Por isso, procurou a Rádio CBN Curitiba para contar o caso.

As denúncias de maus-tratos devem ser feitas realmente pela Central 156. O serviço também atende as solicitações para recolhimento de animais domésticos mortos – como cães, gatos, bois, aves e cavalos.

O diretor de Pesquisa e Conservação da Fauna da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Edson Evaristo, afirma que pode ter ocorrido algum equívoco no atendimento. 

Evaristo pede, inclusive, que a população ajude o município informando à Central 156 quando identificar situações de maus-tratos a animais domésticos.

A Central 156 funciona 24 horas por dia, sete dias por semana, inclusive nos feriados. O diretor ressalta que a denúncia pode ser sigilosa, basta informar ao atendente que não repasse seus dados ou, se for pelo aplicativo, solicitar o sigilo.

Para dar celeridade ao processo, a Rede de Proteção Animal de Curitiba conta com o apoio do Batalhão de Força Verde da Polícia Militar e da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente da Polícia Civil.

Vale lembrar que praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos é crime, com pena de três meses a um ano de prisão, e multa.

Por Francielly Azevedo

Fonte: CBN

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.