Morre a arara que inspirou ‘Rio’

Morre a arara que inspirou ‘Rio’

Presley foi trazido dos EUA para o Brasil em 2002 – era uma das últimas ararinhas a nascerem fora de cativeiro.

Por Luciana Galastri 

BR rio presley 620

Presley, ararinha que inspirou Blu, no filme Rio, tinha uma idade aproximada de 40 anos quando morreu, na última quarta-feira (25). A ave teria sido uma das últimas da espécie a nascer fora de cativeiro.

A morte de Presley se torna um símbolo na luta contra o tráfico de animais, especialmente de pássaros brasileiros. As ararinhas, de nome científico Cyanopsitta spixii, são consideradas exintas em ambiente selvagem. A situação ocorre tanto pelo comércio ilegal quanto pela falta de espaço para construírem seus ninhos.

Agora, existem menos de 100 ararinhas vivas – todas em cativeiro, dentro de refúgios ao redor do mundo. E essa população é ameaçada por defeitos genéticos causados por reproduções consanguíneas. Presley era a oportunidade de diminuir esses defeitos, ao se relacionar com fêmeas, já que não teria parentesco com elas. Mas, durante anos de tentativas, não conseguiu produzir filhotes.

A similaridade de Presley com Blu, de Rio, é inegável. Mais de dez anos atrás, ele foi encontrado vivendo no Colorado (EUA) após passar por casas na Europa desde que era filhote.

Em 2000, a última ararinha conhecida desapareceu das matas brasileiras. Nessa época, Mickey Santi, a dona de Presley, foi informada sobre a identidade e o potencial de sua ave – e concordou em trazer a arara para o Brasil. Assim como Blu, Presley não conseguia voar – e precisou passar por reabilitação.

BR rio blurio

Durante o último ano, exames mostraram que Presley tinha alterações em seu batimento cardíaco e, na semana passada, ele perdeu o apetite. A ave foi levada para Botucatu para tratamento, mas não sobreviveu. Cientistas esperavam, durante os próximos meses, coletar espermatozóides de Presley para tentar a inseminação artificial de uma fêmea – procedimento inédito que, agora, não poderá ser realizado.

Fonte: Galileu

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.