Morre mais uma baleia encontrada encalhada em praia de Salvador; animal tem 39 toneladas

Morre mais uma baleia encontrada encalhada em praia de Salvador; animal tem 39 toneladas

A baleia-jubarte encontrada viva e encalhada na praia bairro de Coutos, em Salvador, na manhã desta sexta-feira (30), morreu horas depois, por volta das 9h. A informação foi confirmada por Luena Fernandes, bióloga do Instituto Baleia Jubarte.

O animal era um adulto de cerca de 15 metros comprimento e 39 toneladas. Conforme Luena, equipes do instituto continuam no local, fazendo exames e colhendo amostras, que vão apontar a causa da morte da baleia.

Assista ao VÍDEO clicando aqui

A previsão é de que o animal seja retirado ainda nesta sexta, por equipes da Empresa de Limpeza Urbana do Salvador (Limpurb).

O encalhe desta sexta ocorreu um dia após outra jubarte ser encontrada morta em praia de Plataforma, a cerca de oito quilômetros de Coutos.

Desde o inicio da manhã, quando a baleia foi encontrada, diversos moradores estiveram no local para jogar água nela. Durante a ajuda, um homem foi atingido após a baleia fazer um movimento brusco e ficou ferido. Há suspeita de que ele tenha fraturado uma perna.

Moradores da região de Coutos, em Salvador, ao redor da baleia encalhada em Salvador — Foto: Cid Vaz/TV Bahia
Moradores da região de Coutos, em Salvador, ao redor da baleia encalhada em Salvador — Foto: Cid Vaz/TV Bahia
Temporada de baleias
Baleias jubartes em mar do sul da Bahia — Foto: Milton Marcondes/Projeto Baleia Jubarte
Baleias jubartes em mar do sul da Bahia — Foto: Milton Marcondes/Projeto Baleia Jubarte

Uma estudo do Projeto Baleia Jubarte, que acompanha há 30 anos o período reprodutivo dos animais, estima que cerca de 20 mil baleias jubarte devem passar pelo litoral da BA na temporada de reprodução.

Segundo o projeto, a temporada ocorre entre os meses de julho e novembro. Elas saem da região da Antártida, que passa por um inverno rigoroso, e se aproximam do litoral brasileiro por causa das águas quentes. As aparições são mais comuns no sul do estado.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.