Morte de cavalos por afogamento choca moradores de Ubatuba, SP

Morte de cavalos por afogamento choca moradores de Ubatuba, SP
"Alguém consegue sentir a dor dessa égua prenhe morrendo afogada a noite, no escuro sozinha com seu filho no ventre?”, protestou advogada. Animal foi encontrado morto por afogamento nas imediações da cachoeira Ipiranguinha; moradores e advogada enterraram animal. / Imagem: Reprodução / Redes Sociais

Uma advogada que atua em proteção animal em Ubatuba, no Litoral Norte de São Paulo, denunciou nesta quinta-feira (23) uma série de ações negligentes por parte de donos de cavalos da cidade. A negligência teria levado a morte de parte dos bichos, incluindo uma égua prenha, que morreu afogada nas imediações da cachoeira Ipiranguinha. As imagens são fortes.

“Alguém consegue sentir a dor dessa égua prenhe, morrendo afogada à noite, no escuro, sozinha, com seu filho no ventre?”, protestou a advogada. Indignada, ela classificou a atitude dos proprietários como “covarde”.

Nas redes sociais regionais, população se indignou. “Estou chorando aqui”, lamentou moradora / Imagem: Reprodução / Redes Sociais

A denúncia gerou uma onda de revolta nas redes sociais regionais da cidade. “Estou chorando aqui. Que absurdo”, protestou uma moradora.

Segundo a advogada, na véspera, data de chuva intensa na cidade, os proprietários deixaram os cavalos pastando na beira do rio, próximo ao horto florestal da cidade.

“Quarta feira [21] naquele chuvão, alguns donos maravilhosos de cavalos em Ubatuba, largaram seus animais no horto na beira do rio. Tirar o animal da chuva pra que né?” denunciou em tom irônico e indignado a ativista.

Segundo a versão da advogada, os animais foram arrastados pelas águas. “Vários animais desceram com o grande volume das águas, vieram, se afogando, se batendo,  se machucando, até parar nas margens e nas pontes”, denunciou.   

Advogada anunciou que vai acionar justiça para tentar salvar animais sobreviventes de responsáveis negligentes, segundo ela. / Imagem: Reprodução / Redes Sociais

A mulher também afirmou que muitos animais ainda estão desaparecidos e que está trabalhando para resgatá-los.  Ela relatou que apesar das ameaças que vem sofrendo por denunciar e tomar medidas contra os maus-tratos aos animais, vai continuar denunciando e acionar a justiça para colocar os animais sobreviventes em locais adequados.

A advogada, com ajuda de moradores das imediações , articulou um enterro para a égua prenha que morreu afogada. “Obrigada à galera do Ipiranguinha que ajudou a enterrar essa pobre criatura”.

Fonte: Costa Norte

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.