Morte de lontras no sul da Ilha preocupa pesquisadores em Florianópolis, SC

Morte de lontras no sul da Ilha preocupa pesquisadores em Florianópolis, SC
Animais foram encontrados dentro de um equipamento de pesca conhecido como covo. (Foto: Projeto Lontras - Divulgação)

A morte de duas lontras na última quinta-feira no canal do Sangradouro, entre a Lagoa do Peri e o bairro da Armação, no Sul da Ilha, em Florianópolis, acendeu a luz de alerta entre pesquisadores e apoiadores do Projeto Lontras, ligado ao Instituto Ekko Brasil (IEB). Os animais — uma fêmea e um filhote — estavam presos dentro de um equipamento de pesca em forma de cesto, popularmente chamado de covo.  

Os animais foram encontrados por moradores, que entraram em contato com a equipe do Projeto Lontra. O fato foi comunicado ao Ministério Público de Santa Catarina. As lontras foram localizadas aproximadamente 50 metros fora da área do parque municipal da Lagoa do Peri, mas não descarta-se a possibilidade de que elas tenham morrido dentro do parque e arrastadas pela correnteza para fora.

Segundo a Polícia Militar Ambiental, a pesca com covo é permitida nas águas continentais e em canais brasileiros por meio de uma normativa do Ibama, mas é vedada dentro da área do parque da Lagoa do Peri, onde pode-se usar apenas caniço e linha de mão.

O chefe de divisão e manejo das unidades de conservação de Florianópolis, Elias Pires, conta que trabalha há 30 anos na região e ainda não tinha visto cena parecida. Ele diz que está orientando moradores às margens do canal para que não utilizem esse tipo de equipamento, mesmo fora dos limites do parque.

Os pesquisadores do Projeto Lontra contam que o canal do Sangradouro, que liga a Lagoa do Peri ao mar, é considerado um corredor ecológico e, portanto, não deveria ter esse tipo de pesca. Outros corredores ecológicos são o canal da barra da Lagoa e costões de praias e lagoas.

Nove mortes em três anos

Ainda segundo dados do Projeto Lontra,  foram registrados nove óbitos de animais na região de Florianópolis nos últimos três anos. A pesca predatória é a principal preocupação.

— Na Lagoa da Conceição, a comunidade e alguns pescadores também estão preocupados com a situação de óbitos de lontras.  Eles nos acionaram para recolhimento de três lontras afogadas dentro de covos de pesca. Há relatos que muitos pescadores clandestinos usam covos e a morte de lontras é uma constante.  A espécie está na lista de animais ameaçados de extinção — diz a presidente do IEB, Alessandra Bez Birolo.

Por Leonardo Gorges 

Fonte: Diário Catarinense 


Nota do Olhar Animal: Lamentavelmente não há preocupações com os peixes, vítimas de covos, anzóis, redes. São tão sencientes quanto as lontras. Recomendamos a leitura do artigo ‘Os peixes: uma sensibilidade fora do alcance do pescador

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.