Tartarugas apareceram mortas em praias de Laguna — Foto: PMP e Udesc/Divulgação

Mortes de tartarugas-gigantes preocupam pesquisadores do Sul de Santa Catarina

A morte de cinco tartarugas-de-couro (que podem ser chamadas de tartarugas-gigantes) em praias do Sul de Santa Catarina está preocupando pesquisadores. Uma tartaruga foi encontrada morta nesta terça-feira (15) na praia do Gi, em Laguna. Outras quatro encalharam sem vida entre 22 de setembro e 5 de outubro em praias de Laguna e Jaguaruna.

Conforme dados divulgados pelo Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) e Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), em quatro anos de projeto a equipe havia registrado apenas três mortes dessas tartarugas.

“Como se trata de uma espécie ameaçada, causa preocupação”, diz o professor da Udesc Pedro Castilho, que coordena a equipe da Udesc em Laguna

Tartarugas estavam em avançado estado de decomposição, o que dificulta causa das mortes — Foto: PMP e Udesc/Divulgação
Tartarugas estavam em avançado estado de decomposição, o que dificulta causa das mortes — Foto: PMP e Udesc/Divulgação

De acordo com o PMP e da Udesc, encalhes próximos não são comuns. As quatro tartarugas encontradas entre setembro e outubro estavam em avançado estado de decomposição e isso dificultou que fosse constatada a causa da morte. Coletas foram feitas para verificar a idade dos animais e também para possíveis futuros estudos.

“O estado de decomposição compromete as análises. Independente, mandamos amostras para análises, daqueles órgão mais preservados. Alguns animais apresentaram interações com petrecho de pesca, mas em outros casos não”, detalhou Castilho.

Essa espécie é considerada vulnerável, em perigo de extinção e aparece raramente no litoral por ser oceânica. No Brasil, a área de desova fica na foz do Rio Doce, no Espírito Santo. O animal pode atingir, em média, 400 quilos e medir em torno de 1,8 m.

Cinco tartarugas foram encontradas em poucos dias no Sul de SC — Foto: PMP e Udesc/Divulgação
Cinco tartarugas foram encontradas em poucos dias no Sul de SC — Foto: PMP e Udesc/Divulgação

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.