Motoboy salva cão atropelado duas vezes após ser jogado de carro no DF

Motoboy salva cão atropelado duas vezes após ser jogado de carro no DF

DF brasilia caoatropeladof4e20

O motoboy Roberto Alexandre Oliveira Alves, de 36 anos, se viu diante de uma das mais difíceis missões na madrugada do último domingo (21) em Brasília: ele presenciou o momento em que um vira-lata foi jogado de um carro e atropelado duas vezes no acesso a Taguatinga pela EPTG. Sem dinheiro, ele tenta ajuda para pagar as despesas do animal em um pet shop, além de exames e consultas. Os gastos são estimados em R$ 1,5 mil.

“Na hora em que eu parei a moto para entrar na curva, vi o cão rolando, vindo do alto. Quando fui pegá-lo, veio um carro e passou em cima das patas e logo depois outro veio e passou na coluna”, disse. “Fiquei esperando por 20 minutos para ver se o dono voltava, se buscava. Vou lá todos os dias. Acho que eu procuro mais o dono do que o dono tem interesse nesse cachorro.”

De acordo com o motoboy, o bicho sangrava muito pela boca. Ele decidiu colocá-lo debaixo do braço e levá-lo a uma clínica veterinária que atende 24 horas por dia, em Ceilândia.

“Fui cortando o sinal. Tomei pelo menos duas multas por atravessar no sinal vermelho, mas eu não podia deixar o cachorro morrer. Ele estava muito machucado”, afirmou.

Alves diz que foi informado de que a estada do cachorro custaria R$ 600 até segunda-feira. Ele decidiu então passar os R$ 200 que tinha no cartão, que seriam usados para abastecer a moto, e ligar para uma protetora de animais.

DF brasilia caoatropelado81debb9b4Com a ajuda de Carolina Mourão, o motoboy esteve no local para procurar imagens de câmeras de segurança – sem sucesso. A protetora disse que ainda não denunciou o caso à Polícia Civil porque estava se dedicando aos cuidados com o animal, mas que vai procurar a delegacia nesta sexta.

Segundo ela, Bob – como foi batizado – sofreu uma lesão em um disco na coluna e corre o risco de não andar mais. O animal precisa fazer um exame que custa R$ 800, além de passar por veterinários especialistas e possivelmente fazer uma cirurgia.

“A crueldade com os animais domésticos é oculta, e aumentou proporcionalmente com a frustração social, pessoal ou profissional. Os animais sofrem na pele dentro de casa, quando não estão abandonados aos milhares com fome”, disse Carolina.

O motoboy, que nunca teve animais domésticos e mora com a avó, afirmou que pretende ficar com o cão. Ele conta que se apegou ao animal.

“Na hora que eu levei ele, ele ficava olhando para mim, e isso me deixou emocionado. Pensei que tinha que salvar ele e agora quero ficar com ele. Quero ter certeza de que ele vai ficar bem”, declarou.

De acordo com o Código Penal, o crime de maus-tratos contra animais tem pena entre três meses e um ano de prisão. O acusado também pode ser multado pela prática.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.