Movimento para proibir transporte de animais vivos ganha força no mundo

Movimento para proibir transporte de animais vivos ganha força no mundo
Agustin Marcarian/Reuters

No final de dezembro, cerca de 1.800 vacas partiram da Espanha para a Turquia a bordo de um navio chamado Elbeik. A viagem deveria durar cerca de 11 dias, depois o gado seria vendido, principalmente para matadouros halal, onde seriam mortos com o mínimo de sofrimento, conforme exigido pela religião.

Pelo menos teria sido rápido. Nos três meses seguintes, quando a pandemia começou a causar estragos no transporte marítimo global, o navio não conseguiu descarregar sua carga e os animais começaram a morrer de fome, segundo investigação do governo espanhol. Quase 10% das vacas morreram, seus cadáveres foram jogados ao mar ou deixados para apodrecer nos currais entre os vivos. Quando o Elbeik voltou para a Espanha, as autoridades determinaram que seus 1.600 animais restantes estavam doentes demais para serem vendidos e tiveram que ser sacrificados.

O Elbeik se tornou prova no crescente movimento de proibir o polêmico comércio internacional de animais vivos que vale US$ 18 bilhões. A pandemia piorou as condições de cerca de 2 bilhões de vacas, ovelhas, cabras, porcos e galinhas que são exportados a cada ano, e os epidemiologistas aderiram aos pedidos por mudança. Os animais ficaram presos em trânsito por muito mais tempo do que o esperado e as inspeções de segurança foram drasticamente reduzidas. Com a nova sensibilidade aos riscos que animais doentes podem representar para os humanos, um número crescente de países está limitando ou eliminando totalmente a prática.

“Quando se trata de bem-estar animal, o transporte marítimo é um grande buraco negro”, disse Thomas Waitz, agricultor orgânico da Áustria e representante parlamentar europeu em um comitê encarregado de atualizar as regras para o transporte transfronteiriço de animais. “Os transportes marítimos estão completamente fora de quaisquer regulamentos ou padrões de bem-estar animal. A saúde pública corre risco se os animais forem transportados em condições onde germes e bactérias possam florescer.”

A UE, que responde por mais de 75% das exportações mundiais de animais vivos, é “incapaz de garantir o bem-estar animal”, segundo um relatório encomendado pelo comitê, que deve recomendar um novo conjunto de regulamentações mais rígido para os exportadores no fim do ano. O Reino Unido foi mais longe, planejando proibir o transporte de animais vivos para abate, embora ainda não tenha definido uma data. A Nova Zelândia disse em abril que eliminará o comércio de animais vivos até 2023.

Cerca de 39 milhões de toneladas de carne foram exportados globalmente em 2019, a maioria abatidos, embalados e congelados ou resfriados previamente – um processo mais lucrativo para produtores de carne e que evita problemas de saúde e segurança no transporte de animais vivos. Mas, à medida que consumidores em países como China e Vietnã ficam mais ricos, adicionam mais carne e laticínios às suas dietas, aumentando a demanda por animais domésticos e leiteiros. O mercado robusto de carne halal entre os muçulmanos também significa que a demanda cresceu nos últimos anos. Os preços do gado vivo da Austrália atingiram máximas recordes.

A provação do gado no Elbeik foi tão horrível que o Ministério da Agricultura da Espanha encaminhou o caso a promotores do tribunal nacional. O proprietário do navio, Ibrahim Maritime, não pôde ser contatado após várias tentativas por telefone e não respondeu às mensagens de texto por meio de um representante no Líbano.

Por K. Oanh Ha e Kevin Varley

Fonte: Bloomberg via Exame


Nota do Olhar Animal: O transporte é uma das situações no sistema de produção de carne e de outros produtos de origem animal em que os animais são submetidos a intensos maus-tratos. Trata-se de um agravante em relação ao dano maior, que é o abate, que viola o interesse mais básico destes seres, que é o interesse em viver. Só há uma forma definitiva de poupar os animais de todo esse sofrimento, só há uma maneira de não ser cúmplice da crueldade e da injustiça cometida contra eles: é não consumindo estes “produtos” e, assim, deixando de financiar as atrocidades cometidas contra estes animais.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.