MP apura ataque a cachorro que foi golpeado por foice, em São Simão, GO

MP apura ataque a cachorro que foi golpeado por foice, em São Simão, GO

Animal teve as patas traseiras amputadas e vai ter de usar cadeira de rodas. Segundo promotora, testemunhas foram ouvidas, mas não há pistas.

O Ministério Público de Goiás tenta descobrir quem cortou as patas traseiras de um cachorro em São Simão, na região sul de Goiás. Barão, como é chamado o animal, teve as patas amputadas em cirurgia após ser atingido por um golpe de foice. Na manhã desta quarta-feira (8) ele precisou fazer nova cirurgia para retirar parte do osso das pernas. Segundo a promotora Daniela Lemos Salge, ainda não há pistas de quem pode ter cometido o atentado.

“Essa parte de busca de autoria, até o presente momento, não foi solucionada, infelizmente. Eu peço à população que está empenhada, que se tiver alguma notícia pode ir no Ministério Público, pode ir na delegacia para a ajudar a gente a solucionar este caso”, afirmou a promotora.

O caso aconteceu no último dia 30 em São Simão. O cachorro foi localizado por pessoas que passavam na rua e viram o animal se arrastando. Depois, foi levado a uma clínica em Goiânia para passar pela primeira cirurgia, onde teve as duas patas traseiras amputadas.

Após receber alta, o cachorro teve uma complicação e teve que ser submetido a uma nova cirurgia nesta manhã para retirada de parte dos ossos das pernas em que teve as patas amputadas.

Apesar do procedimento, o médico veterinário Thiago de Freitas Siqueira afirma que Barão não corre risco de morrer e deve ficar na clínica para aguardar a recuperação.

“O animal adapta super rápido à dificuldade. Ele vai começar a andar de cadeirinha de rodas. A cadeirinha de rodas dele já está pronta. Após a recuperação da cirurgia, ele já vai começar a andar com a cadeirinha de rodas”, contou veterinário.

O G1 tentou contato com a delegacia da cidade para saber se o caso foi registrado e se há alguma investigação, mas as ligações não foram atendidas até a publicação desta reportagem.

Fonte: G1

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.