Mulher acusada de matar 3 cães de fome recebe liberdade condicional. Um animal foi encontrado em uma caixa plástica fechada

Mulher acusada de matar 3 cães de fome recebe liberdade condicional. Um animal foi encontrado em uma caixa plástica fechada
Magan Terry. (Foto da Delegacia do Condado de Miller)

Uma mulher do Arkansas, EUA, que as autoridades afirmam ter matado três cachorros de fome e por negligência causou a morte de um quarto, se declarou culpada no mês passado pelas múltiplas acusações de crueldade animal e foi condenada a cinco anos de liberdade condicional.

Magan Terry, 29 anos, compareceu perante o juiz Carlton Jones com o advogado de Texarkana, Matt Stephens. Terry se declarou culpada por três crimes com agravantes de crueldade contra animais e uma contravenção também por crueldade contra animais. À medida que a audiência da sentença progrediu, a Procuradora Adjunta Connie Mitchell disse ao Tribunal que não aprovava o pedido da defesa para sentenciar Terry sob a Lei 346.

A Lei 346 permite que os juízes deem aos infratores primários uma condenação que não permanecerá em seus registros. Se o infrator concluir com êxito um período de liberdade condicional, ele poderá solicitar ao Tribunal a retirada do registro da condenação e, se concedida, seguir a vida com todos os direitos de que gozam os cidadãos que jamais cometeram crimes nos EUA. Esses direitos podem envolver servir em um júri, em cargos públicos e possuir ou portar uma arma de fogo. Além disso, uma condenação criminal pode afetar de forma negativa as perspectivas de emprego de uma pessoa.

Stephens argumentou que Terry deveria se enquadrar no benefício. Mitchell apontou que o pedido de Terry era para três crimes envolvendo a fome “deliberada” e desidratação de três cães.

“Este foi um ato deliberado”, disse Mitchell. “Ela matou de fome e/ou deixou três cachorros que estavam sob seus cuidados morrerem de sede. O quarto morreu enquanto estava sob os cuidados da organização Animal Care and Adoption”.

Mitchell continuou a descrever uma das mais horripilantes descobertas feitas pelos funcionários do controle de animais na propriedade de Terry em 9 de julho.

“Um dos cães estava em um tupperware fechado”, argumentou Mitchell. “Ela disse que colocou o cachorro na caixa de plástico após a sua morte. Eu não sei se ele foi colocado lá antes.”

Os outros dois cães foram encontrados em um quarto fechado em estado avançado de decomposição.

“Dois dos cães estavam decompostos ao ponto de não identificarmos seus gêneros ou suas raças”, disse Mitchell. “Tudo o que restou foi uma pilha de pelos.”

Quando se dirigiu ao Tribunal, Terry disse acreditar que uma amiga estava cuidando dos animais enquanto ela cuidava de sua mãe depois de um derrame. Terry disse que colocou um dos animais mortos na caixa de plástico porque ela não podia pagar a taxa de coleta de carcaças para o controle animal e foi incapaz de enterrá-lo.

Mitchell disse que a condição de um pit bull vivo apreendido e a decomposição evidente nos outros três cães levou-a a questionar se Terry estava sendo sincera com o Tribunal.

De acordo com a autópsia, o pit bull apreendido na casa de Terry estava definhando e “parecia estar completamente coberto de pulgas a ponto de suas costas parecerem negras e as pulgas parecerem se mover em ondas pelo corpo”. O fedor de resíduos e decomposição animal era tão forte que os policiais de controle de animais usaram roupas de materiais perigosos antes de entrar na casa de Terry.

Jones finalmente decidiu que Terry não receberia o benefício da Lei 346. Jones advertiu Terry, no entanto, de que existem outros mecanismos sob a lei do Arkansas para expurgar condenações criminais após a conclusão bem-sucedida da condicional e encorajou-a a explorar suas opções.

Além de cumprir um período de cinco anos de liberdade condicional, Terry deve pagar uma multa de US$ 1.500 e várias custas judiciais. Ela está proibida de possuir qualquer animal enquanto estiver em liberdade condicional.

Por Lynn Larowe / Tradução de Adriana de Paiva Correa

Fonte: Arkansas Online

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.