Mulher apresenta atestado falso e será investigada por maus-tratos, em Rio Preto, SP

Mulher apresenta atestado falso e será investigada por maus-tratos, em Rio Preto, SP
Divulgação/Ilustrativa

Uma moradora do Jardim Primavera vai ser investigada por maus-tratos a uma cachorra da raça pitbull. As informações estão em um boletim de ocorrência registrado nesta segunda-feira (8). No documento, consta que o caso vem sendo investigado desde o último mês de fevereiro, já que houve várias denúncias contra a suspeita.

Policiais militares informaram na delegacia que era por volta de 11h, quando foram acionado pela Secretaria de Maus Tratos aos Animais para acompanharem até o local dos fatos, a fim de checar uma nova denúncia de maus-tratos. Lá chegando, a moradora mostrou o animal, que acabou recolhido pelos representantes da pasta.

A mulher de 36 anos foi conduzida até a Central de Flagrantes para esclarecimentos. Enquanto isso, a representante da secretaria informou que “o caso vem sendo monitorado desde fevereiro, haja vista que receberam algumas denúncias referentes ao abandono do animal. À época, visitaram a envolvida e a orientaram a tratar da cachorra e levá-la a um veterinário. Posteriormente, entraram em contato com ela, que informou ter doado o animal para uma amiga porque estava desempregada e sem condições de cuidar”.

Ela seguiu o relato, informando que “tentou contato com a ‘tal’ amiga para que pudesse visitar e verificar como a pitbull estava, o que foi negado pela nova dona. Por fim, desta vez com o apoio dos policiais militares voltou a casa da primeira envolvida e encontraram a cachorra no imóvel. A alegação foi de que ‘a amiga se assustou com a procura realizada pela Secretaria de Maus Tratos aos Animais e a devolveu’. Além disso, a suspeita apresentou um atestado de que teria levado o animal a um veterinário. Mas, desconfiada, entrou em contato com a clínica referida no documento, cujo veterinário citado afirmou ‘que o papel não foi fornecido por ele, e é falso’. Diante de tudo isso, compareceram à delegacia para relatar o ocorrido”.

O delegado de plantão determinou a formalização do boletim de ocorrência, instaurou inquérito policial e encaminhou a documentação para o distrito correspondente a área dos fatos, local onde a apuração será feita pela Polícia Civil de Rio Preto.

Fonte: Gazeta de Rio Preto

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.