Mulher é acusada de maus-tratos contra animais na periferia de Fortaleza, CE

Mulher é acusada de maus-tratos contra animais na periferia de Fortaleza, CE
Animais são abandonados em residência (Fotos: Isis Cidade/TV Cidade)

Uma criação de cachorros e gatos chama atenção de quem passa pela rua São João, no bairro Quintino Cunha, em Fortaleza. Dezenas de animais e lixo são acumulados há três anos nas duas residências de Francisca Aragão Fontenele (65), sem nenhum tipo de cuidado. Apesar das reclamações dos vizinhos, e o mau cheiro no local, a mulher parece não se importar com a situação em que os animais estão, mesmo após a morte do marido, vítima de calazar. O óbito é atribuído, segundo os vizinhos, aos animais que estão contaminados com a doença.

Devido ao número de animais maltratados no local, a proliferação de calazar é facilitada. Imagens registradas pela reportagem, com exclusividade, mostram a situação dos animais. Um dos cachorros apresenta um grande ferimento na orelha, possivelmente calazar. De acordo com o site do médico Drauzio Varella, “a Leishmaniose visceral, ou calazar, é uma doença transmitida pelo mosquito-palha ou birigui (Lutzomyia longipalpis) que, ao picar, introduz na circulação do hospedeiro o protozoário Leishmania chagasi”.

A doença não é contagiosa e nem se transmite de um animal para outro, uma pessoa para outra ou de animais para pessoas. A transmissão é feita apenas pela picada do mosquito fêmea. O período de incubação pode variar entre 2 e 24 meses. Entre os principais sintomas, estão febre, diarreia, sangramentos na boca e emagrecimento.

Animal apresenta ferimento na orelha

Como nem as reclamações dos vizinhos e a morte do marido resolveram a situação, algumas pessoas já decidiram se mudar de endereço. Em uma das casas vivem 11 cachorros e vários gatos, em meio a uma grande quantidade de lixo e entulho, recolhidos na rua pela acumuladora e levados para dentro da residência. Na outra casa, onde a suspeita reside, a sujeira também chama a atenção e parece não incomodar dona Francisca.

Mesmo com os portões fechados, os animais conseguem sair da casa onde são abandonados pela dona. A vivenda possui uma laje, onde os animais sobem e passam para os telhados da vizinhança, aumentando o desconforto dos moradores, que reclamam do mau cheiro e dos animais peçonhentos que são atraídos por conta do abandono. Ratos, baratas e escorpiões são algumas das pragas que já foram encontradas no entorno da casa.

Em uma das residências, a mulher habita entre os animais

Segundo o relato de vizinhos, a cada abordagem feita, a mulher é agressiva e ameaça a todos que dizem se sentir incomodados com a situação. O diretor da Sociedade Protetora dos Animais (SPA), Márcio Sousa, disse que foi informado sobre o problema e pretende ir ao bairro na quarta-feira (22). O diretor afirmou que o caso será denunciado ao Ministério Público do Ceará (MPCE). Com a denúncia formalizada, espera-se que os animais sejam retirados das casas.

Sobre acumulação

Para Fábio Gomes de Matos, professor de Psiquiatria da Universidade Federal do Ceará (UFC), a situação representa um tipo de Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC), conhecido como Hoarding ou “Acumulação compulsiva”.

“Acumuladores tem uma enorme dificuldade para se desfazer de coisas, pode ser um saco de mercantil. Uma pessoa assim tem uma enorme dificuldade para se desfazer por acreditar que vai precisar daquilo em algum momento. Um tratamento para esta pessoa [Francisca Aragão] só pode ser recomendado após exame, mas casos assim, geralmente são tratados com psicoterapia e farmacoterapia”, disse.

A dificuldade é reconhecer quando se precisa do atendimento. O paciente tem que reconhecer que precisa de ajuda para que o tratamento aconteça. “É difícil se tratar se a pessoa não quer. Se ela entende o que está acontecendo, fica mais fácil”, explicou.

Em Fortaleza, um dos locais para se buscar atendimento é o ambulatório de psiquiatria do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Ceará (UFC). Para mais informações, ligue: (85) 3281-4961

A reportagem completa, amanhã, 22, no Cidade 190 que começa ao meio dia.

Fonte: C News 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.