Mulher é condenada após cachorro morrer em apartamento enquanto viajava

Mulher é condenada após cachorro morrer em apartamento enquanto viajava
Foto: : Divulgação/Pixabay

Uma moradora do município de Porto União, no norte de Santa Catarina, foi condenada por maus-tratos que resultaram na morte de seu cachorro de estimação. O animal ficou trancado no apartamento em cuidados e em péssimas condições de higiene enquanto a tutora viajava. Ela foi condenada a três meses e 15 dias de detenção, mas teve a pena substituída por uma restritiva de direito com a prestação obrigatória de serviços comunitários.

Segundo o processo, o cão era da raça Akita e possuída restrição de mobilidade nas patas traseiras. A negligência só foi descoberta quando o síndico do condomínio foi acionado por vizinhos que sentiam um forte odor vindo do apartamento. Ele chamou a polícia, que encontrou o animal já sem vida há pelo menos quatro dias. O fato ocorreu em janeiro de 2020.

Em depoimento, o síndico, que também é primo da acusada, narrou que ela viajou e deixou o cachorro trancado no apartamento. Com o tempo, ele acabou morrendo e começou a apodrecer. O síndico cita que a suspeita era de que a própria prima teria morrido no local, e que só descobriu que ela havia viajado quando a polícia arrombou a porta da residência.

O laudo policial de encontro do cadáver do animal, aparentemente desnutrido, também corroborou para a acusação de maus-tratos. A autópsia confirmou a patologia nos membros posteriores do cão, fator que exigia cuidados. “Contribuiu para o óbito o ambiente inadequado para manutenção do cão com restrição de mobilidade, a higiene do local onde o mesmo se encontrava e a possível falta de tratamento clínico adequado”, afirma a juíza na sentença.

Durante o processo investigativo, descobriu-se que a ré havia mudado de endereço sem comunicar a Justiça e a defesa não apresentou argumentos. “Por todos os elementos colhidos é indubitável que a ré incidiu na conduta típica em que foi denunciada, haja vista que os atos de maus-tratos praticados resultaram na morte do animal, sendo a condenação a medida impositiva”, anotou a magistrada.

Fonte: TVBV

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.