Mulher é denunciada por maltratar cachorro no Jorge Teixeira, em Manaus

Mulher é denunciada por maltratar cachorro no Jorge Teixeira, em Manaus

Nesta quinta-feira (19), a equipe de reportagem do Jornal Maskate News recebeu uma denúncia de maus-tratos de animais. Uma moradora da rua dos Trevos, que fica situada no bairro Jorge Teixeira, zona Leste, enviou imagens que mostram que uma das vizinhas mantém um cachorro em condições insalubres de vida. De acordo com a artigo 32 da Lei de Crimes Ambientais (nº 9.605/98) é crime as práticas de abuso, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos, nativos ou exóticos.

De acordo com a denunciante, a imagem acima foi feita durante a chuva que atingiu a capital amazonense na manhã de hoje (19/12). Conforme ela conta em um vídeo gravado pelo celular, ela está cansada de ver o cachorro trancado no quintal durante dias de chuvas e sol, sem um espaço com cobertura para protegê-lo das mudanças climáticas. Ainda conforme o vídeo, o pet não recebe alimentação adequada, banho e constantemente é agredido pela dona.

EM MÉDIA, UM CASO DE MAUS-TRATOS CONTRA ANIMAIS É REGISTRADO POR DIA NA CAPITAL

A Delegacia Especializada em Crimes contra o Meio Ambiente e Urbanismo (Dema), da Polícia Civil, registrou 264 ocorrências de maus-tratos contra animais, em Manaus, de janeiro a outubro deste ano. Isso representa, em média, um caso do crime praticado contra os animais identificado pelos órgãos de segurança diariamente na capital do Amazonas. Os dados são da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM) e representam um aumento de 51,7% em comparação ao mesmo período do ano passado, quando 174 casos foram notificados à Polícia. Só no mês de outubro, durante a operação “Maus-tratos não é legal”, a Dema encaminhou à Justiça 62 Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCOs) referentes ao crime. Titular da unidade policial, a delegada Carla Biaggi disse que várias condutas que podem causar dor ou sofrimento ao animal se enquadram no crime de maus-tratos.

“Como exemplo, nós temos quando os tutores dos animais deixam de prover alimentação e água para o animal, quando o deixam em local muito pequeno, sem espaço para que ele possa se locomover, ao deixar preso muito tempo em correntes curtas. Então aqueles cuidados necessários para o animal, se o tutor não oferece, pode caracterizar o crime de maus-tratos”, explicou.

Deixar de prestar socorro veterinário, não prover a medicação adequada ou não aplicar as vacinas que imunizam o animal contra doenças também se enquadram como crime de maus-tratos. Contudo, o abandono é a principal causa de registros. Ainda de acordo com a delegada titular da Dema, quem comete este tipo de crime responde a um processo criminal, com pena de três meses a um ano de detenção, podendo se agravar em caso de morte do animal.

Denúncias – A delegada Carla Biaggi alerta que, assim como qualquer tipo de crime, a denúncia é muito importante para que esses animais sejam resgatados em tempo hábil e que seus algozes sejam punidos. “É fundamental que as pessoas tenham coragem de vir até à delegacia denunciar. Se a pessoa presenciar algum crime de maus-tratos, se possível, que ela possa tirar fotos, fazer vídeos, ou vir até à delegacia testemunhar para que nós possamos ter provas nos autos para robustecer o nosso procedimento e o autor seja punido”, enfatiza.

A Dema está localizada na rua Hermes Fontes, nº 60, bairro Compensa 3, zona oeste de Manaus. O número para contato da especializada é (92) 3239-3870.

O DEZEMBRO VERDE

As ações do Dezembro Verde buscam sensibilizar a população de que o abandono de animais é uma conduta criminosa, e colaboram para reduzir o índice de acidentes com os animais e controlar doenças que são transmitidas dos animais para as pessoas, às zoonoses. As ações são estratégicas para conscientizar sobre guarda responsável e evitar o abandono desses animais nas vias públicas, feiras, terrenos abandonados, e parques da cidade.

As ações do Dezembro Verde contam com apoio da Delegacia Especializada em Crimes contra o Meio Ambiente (DEMA), Companhia Independente de Policiamento com Cães (CIPCães) da Polícia Militar do Amazonas e Batalhão Ambiental.

Fonte: Maskate News

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.