Mulher se declara culpada de crueldade contra animais no caso do cachorro cujas patas foram cortadas

Mulher se declara culpada de crueldade contra animais no caso do cachorro cujas patas foram cortadas
Gina Derouen passeava à beira do lago com Buddy, cujas patas traseiras foram cortadas por seus proprietários anteriores, que foram acusados de maus-tratos a animais. Foto de Shawn Fink

Uma mulher de Slidell, Luisiana (EUA), confessou a culpa por crueldade grave para com animais no último dia 30 no caso de Buddy, um mestiço de Dachshund e Chihuahua, cujas patas traseiras foram serradas antes de ele ser abandonado em um trailer de um estacionamento.

Lynnette Victor, 51 anos, foi condenada a sete anos de prisão pelo juiz Raymond Childress, do 22º Distrito Judicial, de acordo com o gabinete do procurador do 22º Distrito, Warren Montgomery. Mas o juiz suspendeu a execução da pena da infratora por ser primária. Ela terá que cumprir três anos em liberdade condicional, pagar uma multa de US$ 5,000 e restituir as despesas veterinárias.

O cachorro foi resgatado pelo Once Upon a Tail, um grupo de resgate de animais de St. Tammany, que viu Buddy passar por cirurgia e por outro tratamento veterinário. Ele foi adotado por uma família de Madisonville, Kentucky, e faz aparições frequentes em eventos públicos que promove o bem-estar dos animais, movendo-se com a ajuda de uma cadeira de rodas especial.

Nas condições de sua liberdade condicional, Victor está proibida de ter animais, e o juiz também ordenou que ela se submetesse a uma avaliação de saúde mental e a qualquer tratamento recomendado.

“Estamos felizes por termos conseguido justiça neste caso”, disse Montgomery em uma declaração preparada. “Todos nós ficamos indignados… pelos maus-tratos criminosos a Buddy, razão pela qual perseguimos a acusação mais grave justificada pelos fatos do caso”.

Montgomery disse que aprecia a ordem judicial que proíbe Victor de ter animais como parte de sua sentença.

Victor e sua filha de 17 anos, que não foi identificada pelos policiais, foram presas em setembro de 2019. Na época, ela disse ao gabinete do xerife da Freguesia de St. Tammany que o cachorro pertencia à filha, que havia sido baleado por uma pessoa desconhecida em fevereiro e arrastava as patas, o que desenvolveu feridas.

 Eles não podiam pagar por cuidados veterinários, disse ela, e as patas do cachorro caíram porque sua filha as enfaixou muito apertadas.

Contudo, após seu resgate, um veterinário que cuidou de Buddy disse que ficou claro que uma serra havia sido usada para amputar suas patas.

Por Sara Pagones / Tradução de Aline Alves de Amorim

Fonte: Nola

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.