Mulher tenta vender sagui em feira livre em São Vicente, SP

Mulher tenta vender sagui em feira livre em São Vicente, SP

O caso ocorreu no final do mês passado. CEPTAS-Unimonte, em Cubatão, cuida do animal e procura cativeiro ideal.

SP SaoVicente mulher vender sagui feira

Um sagui de dois meses, da espécie tufo-branco, foi encontrando dentro de uma caixa de leite em uma feira livre em São Vicente. O fato ocorreu há quase um mês e, desde então, o animal segue em tratamento.

Segundo informações de testemunhas, o sagui seria vendido no local, mas foi abandonado porque a pessoa que estava com ele se assustou ao ver uma viatura da Polícia Militar.

Uma mulher que passava pelo local achou a atitude suspeita e decidiu verificar o que tinha na caixa. A Polícia Ambiental foi avisada e encaminhou o animal para o CEPTAS-Unimonte, em Cubatão.

Apelidado de Klebinho, o sagui está em tratamento e recuperação desde o dia 22 de junho. De acordo com o veterinário Nereston Camargo, por ser muito novinho, ele sentiu muito a falta da mãe.

“Temos um outro animal macho da mesma espécie que o acabou adotando. Esse contato fez com que o filhote se sentisse mais confortável.

Ainda segundo Camargo, essa espécie é muito encontrada na região da Bahia e, por isso, não é possível soltar esses animais aqui na região. “Vamos precisar encontrar algum cativeiro apropriado onde eles fiquem”.

Carmargo também alerta que quem costuma praticar este tipo tráfico acaba dopando o animal, o que dá a impressão de que ele é calmo e dócil. “Na verdade, o animal é calmo, mas, por ser tratado de uma forma equivocada, muitas vezes acaba ficando agressivo”.

Adoção

No Brasil, apenas duas espécies de pequenos primatas podem ser comercializadas com autorização do Ibama: o sagui e o macaco-prego. Ambas só podem ser vendidas por locais credenciados e compradas por pessoas que atendam às condições de moradia. Além disso, eles devem conter um microchip de identificação, nota fiscal e ficha de espécie.

Fonte: A Tribuna

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.