Mutirão de castração de cadelas é promovido em Itapetininga, SP

Mutirão de castração de cadelas é promovido em Itapetininga, SP

Campanha que começou nesta sexta-feira (4), vai até domingo (6). Aproximadamente 300 animais participarão do evento gratuito.

Um mutirão de castração de cadelas é promovido até domingo (6) em Itapetininga (SP). Cerca de 300 animais cadastrados previamente participarão da campanha gratuita que começou nesta sexta-feira (4). 

Segundo estimativa da Prefeitura de Itapetininga, atualmente o município conta com 37 mil cães em casas ou abandonados nas ruas. De acordo com o coordenador do Centro de Controle de Zoonozes, Benedito Marques, a melhor forma de controlar o aumento desses animais e as doenças transmitidas por eles é a castração. Ainda segundo ele, a castração ainda é uma cirurgia polêmica, pois muitos donos de animais têm medo dos cães ganharem peso, ficarem mais lentos. “No caso das cadelas, o principal beneficio é que a fêmea não procriara mais. Além disso, ela não terá risco de câncer de mama e de outros tipos de câncer. Não terá risco de doenças no útero, e não terá desequilíbrios hormonais”, explica.

A estrutura de atendimento foi organizada no Recinto de Exposições, onde cinco equipes de veterinários e técnicos participam do mutirão. As cadelas vão receber também um microchip, colocado debaixo da pele, que tem todas as informações do dono e do animal. Uma forma de controlar vacinas e fiscalizar cães abandonados nas ruas. 

Sem poder cuidar de mais cachorros e pagar pela cirurgia em dois animais, a dona de casa Maria Inês da Silva Oliveira aproveitou a oportunidade para castrar Nina e Suzi. “Eu mantenho elas dentro de casa, mas eu solto duas vezes por dia. Tem que cuidar dos bichos, porque eles são como crianças. E se a gente pega tem que cuidar”, diz.

Outra dona de cadela que participou da campanha é a estudante Elisângela Alves. Quando ela pegou a cachorrinha Branca na rua, a cadela estava com seis filhotes e muito debilitada. Agora ela brinca, ganhou peso e é a alegria da família. A estudante conseguiu doar os filhos, e além das vacinas também castrou branca porque não teria condições de criar mais cães. “Se ela não tivesse sido castrada, provavelmente ela estaria no cio agora. E seriam mais cinco ou seis filhotes na rua, jogados. Então a castração é uma das melhores alternativas que existem para acabar com abandono”, completa.

No dia 13 de abril, os animais castrados deverão fazer o retorno para a remoção dos pontos. Outras informações sobre este procedimento podem ser obtidas no Centro de Controle de Zoonoses. O endereço é Rua Jorge Ozi, n. 40, no Centro, e o telefone é (15) 3273-2567.

Fonte: TV TEM

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.