Na Turquia, a morte de um gato de rua desencadeia petições, protestos, ameaças de morte e interesse do presidente Erdogan

Na Turquia, a morte de um gato de rua desencadeia petições, protestos, ameaças de morte e interesse do presidente Erdogan
Um gato de rua sentado em um telhado em Istambul, em setembro de 2019. Foto: AFP/Arquivo
  • Ibrahim K. foi condenado a 18 meses de prisão por chutar até a morte um gato de rua, mas foi liberado por bom comportamento, gerando indignação entre grupos de bem-estar animal
  • Ele foi julgado novamente na quarta-feira dia 13 de março, e os juízes aumentaram sua sentença em um ano, mas não ordenaram que ele fosse detido, ignorando as exigências de grupos de bem-estar animal.

A morte de um gato de rua em Istambul desencadeou petições, protestos e ameaças de morte, levando o presidente a intervir e os tribunais a julgar novamente o culpado.

Em 1º de janeiro, Ibrahim K. foi flagrado por uma câmera de segurança no saguão do prédio onde morava chutando até a morte um gato de rua chamado Eros, que seus vizinhos alimentavam regularmente.

Ele foi condenado no início de fevereiro a 18 meses de prisão, mas depois foi liberado por bom comportamento, provocando indignação entre grupos de defesa dos animais e uma parte da população na Turquia, cuja grande população de gatos de rua é frequentemente alimentada e protegida.

Cerca de 320 mil pessoas assinaram uma petição online exigindo uma sentença mais dura e, no final de Fevereiro, o Ministério da Justiça disse que Ibrahim K. seria julgado novamente depois de ter recebido uma chamada noturna do Presidente Recep Tayyip Erdogan dizendo que ele estava tendo um interesse “pessoal” no caso.

Ibrahim K. foi julgado novamente na quarta-feira 13 de março em um tribunal onde centenas de pessoas lotavam os corredores e o clima era tenso.

Os juízes aumentaram a sua pena em um ano, mas não ordenaram a sua detenção, ignorando as exigências dos grupos de bem-estar animal e dos trolls da internet que lhe enviaram ameaças de morte.

Um tribunal de Istambul condenou um homem a dois anos e meio de prisão por matar deliberadamente um gato. Foto: DPA/Arquivo
Um tribunal de Istambul condenou um homem a dois anos e meio de prisão por matar deliberadamente um gato. Foto: DPA/Arquivo

Um grupo de defesa dos direitos dos animais vai recorrer, dizendo que Ibrahim K. deveria ser preso pelo período máximo de quatro anos permitido por lei.

Na quinta-feira, a hashtag #JusticeforEros (#ErosicinAdalet) era tendência no X, antigo Twitter, na Turquia e vários jornais importantes, incluindo o jornal Hurriyet, exibiram fotos do gato morto em suas primeiras páginas.

Hurriyet publicou vários artigos sobre Eros e “Ibrahim, o assassino”.

Várias celebridades aderiram ao apelo para Justiça para Eros, incluindo o jogador de futebol argentino Mauro Icardi, o atacante estrela do gigante de Istambul e o atual campeão turco Galatasaray.

Tradução de Alice Wehrle Gomide

Fonte: Sount China Morning Post

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.