‘Não ao abuso de animais’, o grito de uma marcha de cães e humanos na Bolívia

‘Não ao abuso de animais’, o grito de uma marcha de cães e humanos na Bolívia
Fotos: Agencia EFE

Centenas de policiais e ativistas levantaram a voz contra o abuso de animais em uma marcha nesta sexta-feira (10) na cidade boliviana de La Paz, na qual foram acompanhados por cães de diferentes raças e tamanhos, incluindo uma tropa de agentes caninos e filhotes recém-recrutados.

A marcha foi convocada por organizações de defesa dos direitos dos animais e pela Polícia Boliviana, através da Unidade de Polícia Florestal e Preservação Ambiental (Pofoma), cujo diretor nacional, coronel Raúl Rodríguez, explicou à EFE que o objetivo da atividade era “erradicar a violência, os abusos, crueldade e biocídio” contra animais.

“Com esta marcha a Polícia Boliviana está dando esta mensagem à nossa população de não à violência, não ao abuso, não à crueldade, nem ao biocídio contra nossos animais domésticos e selvagens porque são seres vivos e como tais, têm direitos, eles são animais que não têm voz, mas têm direitos”, disse Rodríguez.

O delegado sublinhou que os animais “são seres vivos” que só pedem e exigem “muito carinho”.

Ele também lembrou aos que possuem animais silvestres como animais de estimação que isso “é totalmente proibido” pelas regulamentações atuais.

“A Polícia Boliviana já possui os instrumentos legais para poder proceder à prisão e transferência para a Justiça para que não possam traficar estes animais”, afirmou.

Mencionou ainda que o país possui regulamentações como a Lei 700, ‘Para a defesa dos animais contra atos de crueldade e abuso’, em vigor desde 2015 e que incluía a figura criminosa do biocídio para punir o homicídio de um animal com penas de dois a cinco anos de prisão.

Segundo Rodríguez, em 2023 Pofoma atendeu cerca de 1.400 casos de maus-tratos a animais e neste ano já são 600 casos.

O diretor especificou que onze pessoas foram condenadas a penas entre três e sete anos de prisão por estes crimes e cerca de 70 casos estão sob investigação.

A marcha

A mobilização percorreu as principais ruas do centro histórico de La Paz e foi liderada por uma tropa de agentes caninos, a maioria antidrogas, bem uniformizados e com coletes.

Alguns oficiais K-9, como Vito, um labrador preto, pararam para cumprimentar calorosamente e receber carinho das pessoas que vieram assistir à marcha.

Entre os mais aplaudidos estavam os novos recrutas, cachorros pastores alemães e belgas que eram carregados nos braços de agentes humanos.

Atrás deles estavam grupos de humanos e cães “civis”, como Oslo, um cachorrinho chow chow que usava um lenço vermelho no pescoço, e Tony, um enorme São Bernardo que chamou a atenção do público.

A marcha contou com o apoio de grupos ativistas pelos direitos dos animais e clubes caninos das raças salsicha, pequinês e cocker spaniel, entre outras, além de diversas unidades policiais, como bombeiros, que trouxeram carros “disfarçados” de focinhos e orelhas.

Não faltaram as fantasias de ‘Paquito’, o cachorro mascote da Polícia Boliviana, e um entusiasmado grupo de policiais uniformizados com bonés que tinham orelhas e focinho de cachorro e bigodes maquiados no rosto, que dançavam coreografias coordenadas.

Fotos: Agencia EFE

Tradução de Alice Wehrle Gomide

Fonte: Yahoo! Notícias