‘Não podemos admitir isso’, diz prefeito sobre agressão de funcionário que quebrou pata de cadela em Fernandópolis, SP

‘Não podemos admitir isso’, diz prefeito sobre agressão de funcionário que quebrou pata de cadela em Fernandópolis, SP

O prefeito de Fernandópolis André Pessuto se manifestou há pouco, pelo Facebook, obre o caso revelado com exclusividade pelo RN nesta sexta-feira, de agressão de um funcionário público municipal a uma cadela.

“Fiquei sabendo de uma possível agressão a um cachorrinho, a informação me deixou muito triste. Vamos apurar o que aconteceu, pois não podemos admitir isso, jamais.Por outro lado, o que me deixa feliz é saber que o animalzinho já tinha sido adotado pelos nossos funcionários do Almoxarifado, que o tratam com carinho e que, de imediato, ao terem conhecimento do ato repudiaram a possível agressão. Vamos verificar o que ocorreu e tomar as providências necessárias”, postou o prefeito.

O CASO

Um motorista da Secretaria da Saúde da Prefeitura de Fernandópolis é acusado de maus-tratos contra uma cadela adotada dos servidores públicos que trabalham no Almoxarifado Municipal. O Funcionário teria usado um pedaço de madeira para ferir o animal.

O caso foi registrado na sede da Polícia Ambiental, depois que outros servidores denunciaram o caso às autoridades. Renato Oliveira, motorista efetivo no quadro municipal, teria desferido um golpe que acertou a perna traseira da cadelinha que precisou ser socorrida.

O animal chegou a ser encaminhado ao atendimento em uma universidade, mas acabou recebendo tratamento em uma clinica particular. Ela teve algumas lesões e teria quebrado a patas.

O caso revoltou um grupo de funcionários que fizeram uma “vaquinha” para pagar o tratamento do animal que continua imobilizada e utilizando um cone na cabeça para evitar que os curativos sejam arrancados.

O caso está sendo tratados como maus-tratos em animais e um inquérito civil deve ser aberto no 1º Distrito Policial para investigar o caso. O motorista teria alegado em sua defesa que apenas se defendeu já que o animal teria latido.

Um funcionário da Prefeitura, que não quis ser identificado, disse que ficou revoltado com a situação da cadelinha, que por sinal é muito dócil. Ela e outros cachorros foram adotados pelo grupo depois de serem abandonados pelos donos, recebendo vacinas e até castração no Centro de Zoonoses.

A Associação Pelos e Patas, que atua como defensora dos animais ainda não havia tomado conhecimento do fato.

Fonte: Região Noroeste

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.