Navio transportador de gado que saiu de Rio Grande (RS) causa mau cheiro na Cidade do Cabo

Navio transportador de gado que saiu de Rio Grande (RS) causa mau cheiro na Cidade do Cabo
Navio transportando 19 mil cabeças de gado do Brasil causa mau cheiro na Cidade do Cabo (Reuters)

Os habitantes da Cidade do Cabo, na África do Sul, mal podiam respirar, na segunda-feira dia 19 de fevereiro de 2024, devido a um mau cheiro insuportável descrito como uma combinação de esgoto, peixe podre, esterco de vaca e urina de cabra, que partiu do CBD e invadiu todo os bairros da vizinhança próxima.

A posição do transportador de gado Al Kuwait, que está aportado no porto da Cidade do Cabo, aparece circulada em vermelho no mapa acima. Imagem da MarineTraffic/captura de tela
A posição do transportador de gado Al Kuwait, que está aportado no porto da Cidade do Cabo, aparece circulada em vermelho no mapa acima. Imagem da MarineTraffic/captura de tela

Os moradores locais recorreram às redes sociais para reclamar do mau cheiro, quando foi confirmado como proveniente de um navio que transportava gado e que aportou durante a noite no porto da Cidade do Cabo.

Tradução da postagem: ATUALIZAÇÃO: RELATÓRIOS SOBRE O mau cheiro em todo CBD (10:00 a.m. 19 de fevereiro de 2024) A Secretaria do Meio Ambiente confirmou que a origem do cheiro em toda a cidade é um navio no porto. O navio chegou ontem à noite e transporta gado. Sua partida está prevista para hoje (19 de fevereiro de 2024) à noite, às 21h

“A Secretaria do Meio Ambiente confirmou que o mau cheiro propagado por toda a cidade foi ocasionado por um navio aportado no porto da cidade”, justificou Zahid Badrooien da MMC (Comissão de Concorrência de Monopólios) com relação ao saneamento e a água da cidade.

Alguns dos usuários das redes sociais questionaram sobre o estado dos animais que estavam no navio.

Tradução da postagem:

Victor Mkhetsane: Habito a área portuária da cidade e estou acostumado com o cheiro do porto, é comum o cheiro de peixe podre. Porém, o cheiro de hoje é algo diferente. No corredor do meu hotel sentia xixi e esterco de vaca, a minha sala toda… tinha esse mau cheiro. Este fedor estava também fora do hotel.
Songo, em resposta  a Victor Mkhetsane: Realmente, está um cheiro de peixe podre.
Victor Mkhetsane: Como descrevo o cheiro para alguém que não está na Cidade do Cabo? É como um esgoto que estivesse a ponto de explodir e hoje se rompeu, misturado com o fedor de peixe podre do porto, de esterco de vaca e de xixi de cabra. É assim que sinto o cheiro. É muito peculiar e desagradável.

O Conselho Nacional das SPCAs disse que a sua equipe, incluindo um veterinário consultor, o Dr. Bryce Marock, estava a bordo do navio Al Kuwait, ancorado na Cidade do Cabo, para avaliar o bem-estar dos animais em colaboração com o capitão.

O navio, que transportava 19 mil cabeças de gado do Brasil com destino ao Iraque, estava abastecendo a ração para os gados ali no porto da cidade.

“Reconhecemos as preocupações levantadas pelo público em relação ao odor perceptível que emana do navio e atinge o centro da cidade e arredores”, disse a NSPCA.

“O cheiro indica as péssimas condições que os animais estão a enfrentar neste transporte, ou seja, já passaram quase três semanas a bordo com acúmulo de fezes e amônia. O fedor a bordo é inimaginável, mas os animais estão enfrentando isso todos os dias.”

Tradução de Maíra Hallack

Fonte: TimesLIVE


Nota do Olhar Animal: O transporte é uma das situações no sistema de produção de carne e de outros produtos de origem animal em que os animais são submetidos a intensos maus-tratos. Trata-se de um agravante em relação ao dano maior, que é o abate, que viola o interesse mais básico destes seres, que é o interesse em viver. Só há uma forma definitiva de poupar os animais de todo esse sofrimento, só há uma maneira de não ser cúmplice da crueldade e da injustiça cometida contra eles: é não consumindo estes “produtos” e, assim, deixando de financiar as atrocidades cometidas contra estes animais.

Se a morte dos animais é o principal problema, há também outras questões bem graves vinculadas à exportação de animais vivos, como o trabalho escravo e o desmatamento, indicados em uma matéria do UOL que pode ser acessada aqui.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.