No DF, garoto de 13 anos ouve miado e salva filhote de gato enterrada viva

No DF, garoto de 13 anos ouve miado e salva filhote de gato enterrada viva

Amora estava debaixo de lixeira na praça da quadra 202 de Santa Maria. Sem poder ficar com ela, jovem passou remédio e entregou bicho a vizinha.

Por Raquel Morais

DF santamaria gata1 1

O olhar tímido e as poucas palavras do adolescente Ricardo Felipe de Ataídes Menezes, de 13 anos, dão lugar a um sorriso largo quando o assunto é a filhote de gato Amora. O garoto a encontrou enterrada viva debaixo de uma lixeira na praça da quadra 202 de Santa Maria, no Distrito Federal, no último dia 13. De acordo com o menino, o bicho estava todo ensanguentado, sujo e com machucados no nariz. O caso não foi registrado na Polícia Civil.

“Era umas 8h. Estava indo embora com a minha avó quando comecei a ouvir miados meio baixos. Fui seguindo o som e vi que estava perto da lata de lixo. Tinha um saco embaixo da lixeira, aí eu levantei o saco e continuei ouvindo o miado. De repente, vi um rabo e a terra se mexendo. Fui tirando a terra e vi a filhote. Ela estava com medo”, lembra.

DF santamaria gatinha5 1Mesmo sabendo que a mãe não queria um animal de estimação, Ricardo decidiu levar a gata para casa. No caminho, passou em uma casa agropecuária junto com a avó para pedir dicas sobre os cuidados a tomar com o animal. Lá, comprou ração para alimentá-la e antisséptico para passar nos ferimentos.

Depois dos “primeiros socorros”, o menino colocou a filhote em uma caixa e tentou contato com a mãe, que estava no trabalho. Apesar de ter ficado orgulhosa da ação do garoto, a produtora de eventos Aline Patrícia de Ataídes, de 32 anos, deixou claro que ele não poderia ficar com o animal.

“Falei para ele procurar um lugar para ela ficar, porque infelizmente a gente não tinha condição. Temos uma rotina puxada, a casa está em construção e não temos espaço. Ter um bichinho exige amor, responsabilidade, dedicação e tempo. Não temos condição de ficar com ela agora, até por ela mesmo, que não merece ficar presa dentro de casa”, disse a mulher.

O garoto decidiu então procurar a mãe de uma colega que mora na quadra ao lado e já cuida de outros cinco felinos. Recusando o título de “protetora de animais”, Renata Duarte se dispôs a continuar com a gatinha até ela achar um dono. A mulher disse que não conseguiu levar a filhote ao veterinário por falta de dinheiro, mas que deu uma “olhada” e constatou que ela aparenta ter boa saúde.

“Ela é gordinha, [mas] não é uma barriguinha de vermes, por exemplo”, disse. “Os olhos estavam brilhantes, sem apresentar sintomas de conjuntivite ou rinotraqueite – doença que comumente atinge gatos filhotes e idosos e causa a morte do animal quando não diagnosticada com antecedência. Também não apresentava sintomas de anemia. [Tinha] a gengiva e a língua de cores bem rosadas.”

De acordo com Renata, a gatinha tem entre 40 e 50 dias de vida. Ela foi acolhida por uma felina adulta, que a está amamentando. Além disso, recebe misturas e soros caseiros apropriados para animais.

“Como todo filhote pequeno, ela tem medo de altura. Sempre que tenho que pegá-la em minha mão e mudá-la de local para comer a papinha – se não a mãe adotiva devora a comida toda – ela mia bastante, nada mais que isso. É brincalhona, adora brincar de pique e morder com os irmãozinhos adotivos, gosta de correr mesmo sendo tão pequena”, afirma.

Uma amiga de Renata se candidatou a adotar o bichinho e o batizou de Amora. A mudança está prevista para ocorrer neste final de semana. A notícia deixou Ricardo triste. Nos últimos 12 dias, o garoto já esteve na casa da vizinha para visitar a gata quatro vezes.

O garoto disse que ficou bravo com a crueldade contra a gatinha. “Mas depois me senti feliz por pelo menos ter ajudado. Eu gosto de animais de estimação, gostaria de ter um, mas quem eu queria mesmo por perto é a Amora. Ela é linda, queria ficar com ela”, contou ao G1.

DF santamaria gata4

Paixão por animais

O adolescente diz ainda não saber com o que pretende trabalhar no futuro, mas destaca a vontade de cuidar de animais. Amora, segundo ele, não foi o primeiro bicho que ele salvou: ele protegeu uma gata prenha que apareceu com a pata quebrada na escola e outro felino que era maltratado por colegas. Ricardo também alimentava um cão de rua que estava machucado e ficava perto do colégio.

“Eu não sei como as pessoas têm coragem de fazer essas coisas, nunca entendi. Os bichinhos não fazem nada a ninguém”, declarou.

DF santamaria gata2

A mãe, Aline, afirma se emocionar com a postura do garoto. “Ele é um menino muito bom, de coração muito bom. Tem tanta mulher que vai para a mídia porque o filho fez coisa errada, e esse não é meu caso. Graças a Deus não é nada disso.”

De acordo com o Código Penal, o crime de maus-tratos contra animais tem pena entre três meses e um ano de prisão. O acusado também pode ser multado pela prática.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.