Nós poderíamos resolver o problema da fome no mundo, se todos contribuíssem com uma simples mudança. Veja como

Nós poderíamos resolver o problema da fome no mundo, se todos contribuíssem com uma simples mudança. Veja como

Você já parou para pensar alguma vez quais são os recursos requeridos para fazer apenas um cheeseburger? Desde a água e a terra utilizadas ao grão destinado a alimentar os animais, produzir carne que é um recurso altamente intensivo.

Anualmente, cerca de 70 bilhões de animais de fazenda são criados para alimento, e o sistema da pecuária ocupa por volta de 45% da terra arável do mundo. Embora, o objetivo de criar animais para a produção de carnes e laticínios possa ser a alimentação humana, estamos perdendo uma grande quantidade de grãos alimentando os animais em vez de pessoas.

Surpreendentemente, 75% da produção de soja no mundo são para alimentar os rebanhos. Nos Estados Unidos, em torno de  47% da soja e 60% do milho são usados na pecuária. Apesar do fato de que nós produzimos grãos suficientes para alimentar 10 bilhões de  pessoas no planeta, quase um bilhão delas hoje sofre com a fome no mundo todo. O quê!?

Se todas as pessoas nos Estados Unidos deixassem de comer carne e produtos lácteos por um ano, nós teríamos grãos suficientes para alimentarmos 1.4 bilhão de pessoas! Por que nós estamos alimentando as vacas quando poderíamos resolver a fome no mundo?

Dada a importância do assunto e a simplicidade do potencial de solução, nós todos podemos contribuir, de alguma maneira, para consertar o sistema alimentar. Pronto para fazer alguma coisa e mudar isso? Então, junte-se ao movimento #EatForThePlanet!

Imagem: franzl34/Pixabay

Por Michelli Neffi / Tradução de Nilza Francisco da Silva

Fonte: One Green Planet 


Nota do Olhar Animal: Antes de resolver o problema da fome ou das mudanças climáticas, deixar de matar animais é resolver o problema da violência e injustiça contra estes seres. E isto basta para justificar esta simples mudança.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.