Nova técnica permite criar em pouco tempo e baixo custo um órgão-em-chip

Nova técnica permite criar em pouco tempo e baixo custo um órgão-em-chip
Um cientista analisa amostras de sangue num laboratório. CANVA

O sistema órgão-em-chip, um modelo in vitro de cultura celular em três dimensões, surge como alternativa à experimentação animal num contexto pré-clínico.

Investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) desenvolveram uma técnica que permite criar “em apenas algumas horas e a baixo custo” um órgão-em-chip, um modelo in vitro de cultura celular alternativo à experimentação animal.

Em comunicado, o instituto da Universidade do Porto explica hoje que o estudo, publicado na revista Advanced Science, permite “acelerar um processo que normalmente é muito demorado”, bem como “facilitar a disseminação do uso dos sistemas órgão-em-chip”.

O sistema órgão-em-chip, um modelo in vitro de cultura celular em três dimensões (3D), surge como alternativa à experimentação animal num contexto pré-clínico.

Os chips, que são do tamanho de um disco de USB e produzidos num tipo de silicone biocompatível, permitem “recriar com detalhe o microambiente de um tecido ou órgão num contexto laboratorial, replicando não só a arquitetura, mas também as condições dinâmicas do órgão”, afirma, citado no comunicado, Daniel Ferreira, primeiro autor do estudo.

“Além disso, é possível combinar estes dispositivos com células provenientes de doentes, o que permite uma abordagem única num contexto de medicina personalizada”, acrescenta.

Segundo o investigador, a técnica agora desenvolvida, baseada em xurografia, recorre a uma impressora de corte para, a partir de folhas de silicone, remover as geometrias dos canais de perfusão do chip “numa questão de segundos”.

“Além da melhoria significativa no tempo de produção, todo o processo pode ser executado com equipamento de baixo custo, reduzindo os três maiores encargos de fabricação: tempo, custo e espaço para alojar o equipamento de produção”, salienta.

Através de um modelo biológico da mucosa gástrica, os investigadores demonstraram que os dispositivos produzidos pela tecnologia são “biocompatíveis e permitem replicar a arquitetura e condições dinâmicas da mucosa gástrica num contexto in vitro”.

“Pela sua modularidade, baixo custo e facilidade de execução, este método é uma alternativa interessante aos métodos de fabrico convencionais”, afirma Daniel Ferreira.

Apesar das vantagens dos sistemas órgão-em-chip, a sua fabricação é um processo complexo que requer equipamento especializado, assegura o i3S, acrescentando que a “procura por novos métodos de fabricação que possam reduzir o tempo necessário da conceção até ao protótipo final tem sido uma prioridade”.

Além de investigadores do i3S, este estudo contou com a colaboração de investigadores do Instituto Superior Técnico de Lisboa e da Universidade Técnica de Viena, na Áustria.

Fonte: SIC Notícias / mantida a grafia lusitana original 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.