Novo programa permite que os residentes criem colônias de gatos em Summit, EUA

Novo programa permite que os residentes criem colônias de gatos em Summit, EUA
Michelle McDonald, à direita, pesa Goldie, um gato resgatado, no Nuzzles and Co. Rescue Ranch em 2018. A organização sem fins lucrativos é uma das organizações que propôs um novo programa piloto em Summit County que permitirá aos residentes cuidar de “gatos comunitários abandonados."

O Conselho do Condado de Summit deu luz verde para um programa piloto que permitirá aos residentes cuidar de “gatos comunitários” selvagens e abandonados em seus bairros.

Os grupos locais de resgate de animais Nuzzles and Co. e a Humane Society of Utah propuseram o programa como uma forma humana de controlar essas populações de gatos, bem como de proteger a comunidade contra gatos não esterilizados e não vacinados. O Condado de Summit recebe em média cerca de 380 gatos por ano em seu abrigo de residentes que os capturam ou os entregam ou de armadilhas de controle de animais, que são colocadas a pedido do proprietário da propriedade, de acordo com um relatório da equipe.

A Câmera Legislativa de Utah aprovou um projeto de lei em 2011 que autorizava condados e cidades a permitir gatos comunitários. O código do Condado de Summit precisava ser alterado antes que o programa piloto pudesse ser implementado.

Segundo o programa, gatos sem dono que vivem ao ar livre têm patrocinadores que são responsáveis por esterilizá-los, vaciná-los contra a raiva e inserir identificações com retirada das pontas das orelhas. Os patrocinadores podem ser indivíduos, um grupo de resgate de animais ou uma sociedade protetora.

A marcação na orelha é a remoção de cerca de um quarto de polegada da ponta da orelha esquerda dos gatos enquanto eles são anestesiados para esterilização. O procedimento permite que os oficiais de controle de animais vejam à distância que os gatos foram tratados e vacinados.

Os gatos são então devolvidos ao local onde foram encontrados originalmente e um cuidador da comunidade fornece comida, água e abrigo para um felino ou uma colônia deles.

Os defensores dos programas comunitários de gatos dizem que eles ajudam a manter as taxas de eutanásia baixas, fazem com que menos gatos entrem e sobrecarreguem os abrigos e reduzem a população de gatos ao ar livre, de acordo com uma apresentação feita no início deste ano por funcionários do condado. Os contras incluem a dificuldade de administração de vacinas anti-rábicas de reforço, a morte de pássaros e a ameaça que os gatos representam para a vida selvagem protegida.

O programa de Summit County exige que os cuidadores que não são considerados donos dos animais, paguem uma taxa de licença de US$ 50 para ter uma colônia de gatos. Qualquer pessoa com histórico de abuso ou negligência de animais está proibida de ser patrocinadora ou cuidadora comunitária de gatos.

O programa piloto estará em vigor até 31 de dezembro de 2023.

“Vamos coletar dados por meio deste programa e depois voltar antes que ele expire para ver o que você deseja fazer a seguir, com base no que aprendemos com essa experiência”, disse a vice-gerente do condado, Janna Young, aos membros do conselho.

O programa foi aprovado em uma votação de 4-0 em uma reunião de 17 de novembro, com a abstenção do presidente do conselho, Glenn Wright.

Wright disse que não é contra o programa, mas não pôde comparecer a uma sessão de trabalho anterior, quando o programa foi discutido com muito mais detalhes.

“Eu não queria votar contra”, disse ele. “Certamente estou disposto a seguir o plano piloto para ver como funciona.”

Por Pamela Manson / Tradução de Alexandre Magno L. Cruz

Fonte: The Park Record

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.