Novo vídeo mostra cachorro preso sem alimento e água, em Belém, PA

Novo vídeo mostra cachorro preso sem alimento e água, em Belém, PA

Um vídeo publicado nas redes sociais mostra mais um caso de maus-tratos contra animais. Segundo a denúncia, um cachorro é mantido preso desde janeiro em uma casinha e quase não recebe alimentação e água. O vídeo foi registrado nesta sexta-feira (17), na avenida Fernando Guilhon, bairro do Jurunas, e mobilizou internautas de diversas cidades do país.

Nas imagens, o animal aparece latindo muito, preso em uma casinha, localizada em um quintal  repleto de restos de materiais de construção e mato. O autor do vídeo, que pediu para não ser identificado, conversou com o G1 e disse que o animal é mantido preso desde janeiro deste ano.

“Esse cachorro não sai da casinha para fazer suas necessidades. Na verdade, não sai da casinha em hipótese alguma. Se botam comida diariamente ou não também nunca vi. Observei que o animal faz suas necessidades nesse lugar. O animal late, grita até cansar”, relatou a pessoa denunciante, que mora ao lado do terreno onde vive o cachorro.

Após denunciar o caso à Delegacia Especializada em Meio Ambiente (Dema), sem obter nenhuma solução, o denunciante gravou a situação do cachorro e postou na internet, na expectativa de que gerasse repercussão e chamasse a atenção das autoridades.

“Já liguei pra polícia, que disse não poder fazer nada, ligo para Dema desde janeiro e não obtive resposta. Ninguém aguenta mais ver o bicho nesse estado”, denunciou. “Assim como o vídeo da cachorrinha sendo arrastada viralizou, eu espero que esse também chegue a algum órgão responsável”, declarou.

O denunciante se refere ao caso de uma cachorro filhote, arrastada por uma moto. Um vídeo captado de celular na tarde do último domingo (12) registrou maus-tratos contra um filhote de cachorro no bairro do Tapanã, em Belém. O vídeo causou grande mobilização nas redes sociais. A mulher que aparece pilotando a moto foi detida, e o cachorro foi resgatado e adotado.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.