'Nunca atacaram', diz tutor de cães agredidos em posto de combustível em Jardinópolis, SP

‘Nunca atacaram’, diz tutor de cães agredidos em posto de combustível em Jardinópolis, SP

Os três cães agredidos por um homem em um posto de combustível em Jardinópolis (SP), são dóceis e nunca atacaram ninguém. A afirmação é do proprietário do estabelecimento, Arthur Fernando Fregonesi, destacando que os animais sempre viveram no local.

“Eles têm até crachá com os nomes para serem identificados: Dilma, Matriz e Guilherme. A gente dá ração, veterinário, aí o cara entra e faz aquela barbárie com eles? Eles não são agressivos, são dóceis, amorosos, nunca morderam ninguém”, explicou.

A agressão ocorreu na madrugada de domingo (8) e foram registradas pelas câmeras de segurança do posto. As imagens mostram o suspeito caminhando e sendo seguido pelos três cães. Em seguida, ele para ao lado de um carro e chuta um dos animais.

Imediatamente, os outros cachorros começam a latir e avançam. O homem recua e os bichos tentam se esconder atrás do veículo. Segundos depois, o agressor reaparece com um cabo de vassoura e corre atrás dos animais, tentando acertá-los.

Vídeo mostra cachorros próximos ao suspeito momentos antes da agressão (Foto: Reprodução/EPTV)
Vídeo mostra cachorros próximos ao suspeito momentos antes da agressão (Foto: Reprodução/EPTV)

Matriz e Dilma conseguem fugir, enquanto Guilherme volta a tentar se esconder próximo ao carro. Mesmo acuado, o cachorro é atingido diversas vezes pelo suspeito com o pedaço de pau. Ele foi socorrido e permanece internado em uma clínica veterinária.

O dono do posto contou que a agressão ocorreu quando o estabelecimento estava fechado. Por isso, o caso só foi descoberto na manhã de segunda-feira (9). Fregonesi disse que registrou um boletim de ocorrência e acionou a Polícia Militar Ambiental.

“Logo que abriram o posto, os funcionários viram que o Guilherme machucado. Ele estava muito mal, vomitando sangue, com os olhos fechados e sem andar. Nós ficamos indignados, porque a gente cuida deles, cuida de outros cães da praça e, em cinco anos, nunca tivemos um histórico de agressão”, afirmou.

Arthur Fregonesi segura o cão Guilherme no colo (Foto: Maria Piassa Fregonesi/Arquivo Pessoal)
Arthur Fregonesi segura o cão Guilherme no colo (Foto: Maria Piassa Fregonesi/Arquivo Pessoal)

Investigação

O delegado César Augusto de França disse que o suspeito da agressão se apresentou à Polícia Civil na tarde de segunda-feira (10), quando foi registrado um termo circunstanciado por agressão contra os animais.

Segundo de França, o homem alegou em depoimento que passava em frente ao posto e foi atacado pelos cães. O delegado afirmou ainda que o suspeito deve responder por crime de maus-tratos, cuja pena varia de seis meses a um ano de prisão.

Por Gabriela Castilho 

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.