O antigo “zoo de horrores” que se transformou num centro de resgate animal

O antigo “zoo de horrores” que se transformou num centro de resgate animal
O elefante "mais solitário do mundo".

Ursos maltratados, leões subnutridos e elefantes solitários. O Jardim Zoológico de Marghazar, na cidade de Islamabad, no Paquistão, tinha uma reputação que deixava qualquer amante de animais boquiaberto. Ainda assim, durante mais de 40 anos funcionou sem qualquer problema. Hoje, as décadas de maus tratos ficaram para trás e quatro anos depois do seu encerramento, em 2020, recebe animais órfãos, doentes e necessitados.

“Toda a energia do lugar mudou desde que o zoológico foi esvaziado”, disse Rina Saeed, chefe do Conselho de Gestão da Vida Selvagem de Islamabad (IWMB), à agência de notícias AFP. “Agora, é um centro de reabilitação adequado com mais de 50 animais”, partilhou, acrescentando que a equipa já salvou mais de 380.

Antes mesmo de receber a ordem de encerramento, o zoo começou a chamar atenção mundial quando a cantora Cher apoiou uma campanha para remover o elefante asiático Kaavan do espaço, batizado de “o mais solitário do mundo”. Além disso, dois leões já morreram após serem forçados a saírem do recinto onde ficavam e centenas de outros animais desapareceram misteriosamente.

Com o tempo, as polémicas que se acumularam fizeram com que as autoridades paquistanesas resolvessem agir. Em 2020, o Ministério das Alterações Climáticas mostrou-se “seriamente preocupado” com o tratamento “intolerável e desumano” demonstrado aos animais.

No mesmo ano, o zoo foi obrigado a fechar as portas e todo os seus 30 animais (entre lobos, ursos, veados, coelhos, macacos e elefantes) foram enviados para centros de resgates e outros espaços certificados, como Kaavan, que foi para o Camboja.

“Este lugar está irreconhecível”, afirmou Amir Khalil, veterinário e diretor da Four Paws, uma organização internacional de bem-estar animal que acompanhou a mudança do jardim zoológico. Agora, o espaço que outrora era de dor, foi substituído por momentos de esperança, e abriga, maioritariamente, bebés leopardos órfãos e outros animais grandes, como os ursos, resgatados de situações onde eram obrigados a “dançar” ou participar de lutas com outros da espécies.

A nova vida de Kaavan, no Camboja.
A nova vida de Kaavan, no Camboja.

As controvérsias permanecem

O parque conta com 28 hectares e nasceu em 1978, precisamente como um centro de reabilitação para animais selvagens. No entanto, anos mais tarde, foi transformado num jardim zoológico e ficou sob gestão do governo de Islamabad.

As más condições dos animais a e a falta de manutenção do espaço começaram a levantar polémicas décadas depois, o que acabou por justificar o seu encerramento em maio de 2020. Nesta altura, pelo menos 20 animais já tinham morrido, incluindo seis crias de leão.

Suzie e Bubloo foram os poucos que ainda sobreviveram tempo o suficiente para ganharem uma segunda oportunidade. O casal de ursos foi treinado para ser “urso dançante” e participar de espetáculos para entreterem os visitantes. Os gigantes foram transferidos para um santuário na Jordânia.

Por outro lado, mesmo com todo o trabalho que têm feito, os voluntários do IWMB temem que o espaço seja novamente aberto como um jardim zoológico irresponsável sob os cuidados dos seus antigos proprietários, a Autoridade de Desenvolvimento da Capital, responsável pela prestação de serviços municipais e que supervisiona o desenvolvimento em Islamabad.

“Existe um zoológico em quase todas as cidades do mundo”, defende Irfan Khan Niazi, do departamento ambiental da Autoridade de Desenvolvimento da Capital.. “Só porque as regras não foram seguidas uma vez não significa que isso aconteceria novamente”, avançou.

A constante luta entre as duas entidades não está perto de chegar ao fim, mas o IWMB tem esperança que num futuro próximo possa ganhar a batalha e transformar o centro de reabilitação num santuário definitivo.

A seguir, carregue na galeria para conhecer o trabalho do IWMB.

Por Izabelli Pincelli

Fonte: Pit / mantida a grafia lusitana original

Nove razões para não visitar zoológicos

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.