O caso do ladrão de órgãos

Considere o seguinte dilema na forma de um experimento mental[1]:

“Suponha que você só pode sobreviver se conseguir órgãos novos. Então, você precisa de transplantes de órgãos. Na realidade, precisa continuamente de transplantes de órgãos, pois você é um tipo de ser que cada órgão perde a função a cada pequeno período de tempo. Digamos que agora 3 dos seus órgãos estão falhando e não existem doadores. Nunca existem doadores. Suponha que a única maneira de continuar vivo será assassinando algum semelhante desconhecido, roubando os seus órgãos e transplantando-os para o seu corpo. Apenas sobreviverá, até seu fim “natural”, se roubar partes dos corpos de outros para colocar no seu próprio corpo. Sempre.”

Essa é uma analogia para a condição infernal presente no mundo selvagem [2], onde animais obrigatoriamente carnívoros ou predadores precisam necessariamente matar, das maneiras mais horríveis, por estarem predispostos aos comportamentos “programados” pela aleatoriedade da “loteria da natureza”, os seres que tiveram o azar de vir ao mundo e acabarem sendo predados nessas situações macabras (fazendo dos frigoríficos, em comparação, lugares relativamente menos piores para alguém, seja quem for, ser morto).

Ao mesmo tempo, essa é uma falsa comparação para humanos comedores de animais da atualidade e que residem em locais não inóspitos, pois nós não somos obrigatoriamente carnívoros, ou seja, podemos optar moralmente entre sermos “ladrões de órgãos” ou não.

Se temos a opção de não sermos “ladrões de órgãos”, como podemos legitimar moralmente esse terrível “roubo” das carnes dos corpos de animais? Não estamos em dilema algum para sequer tentar justificar esses assassinatos.

Contudo, obviamente, esse pequeno texto apenas terá sentido para o leitor que já está começando a perceber (e para todos os leitores que já sabem disso) que temos todas as razões para considerarmos igualmente e com máxima seriedade todos aqueles que são capazes de sofrer e desfrutar, independente se a “loteria natural” os “trouxe” ao mundo como humanos ou não.

Referências:

[1] O experimento mental foi extraído de palestra sobre o sofrimento dos animais selvagens na natureza. Essa palestra está em fase de tradução e será oportunamente compartilhada.

[2] Uma compilação inicial de importantes textos e artigos nessa temática pode ser acessada aqui: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10152511008448475&set=a.10150351123078475.398150.558043474&type=3&theater

Fonte: ANDA


{article 794}{text}{/article}

Olhar Animal – www.olharanimal.org


 

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.