AL maceio cadela facada H

OAB-AL firma termo para internação de mulher que esfaqueou cadela

Familiares concordaram com internação compulsória da suspeita de matar animal.

AL maceio cadela facada

Segundo a presidente da comissão de Bem Estar Animal da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Alagoas, Rosana Jambo, testemunhas relataram que a mulher suspeita de matar uma cachorra a facadas recolhia animais de rua e praticava atos de magia negra. Após visita à residência de uma mulher, identificada como Marlene, no conjunto Dubeaux Leão, no bairro do Tabuleiro do Martins, em Maceió, a comissão divulgou que vai firmar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com os familiares da mulher para que ela seja internada compulsoriamente.

Ainda nas ações da Comissão, será encaminhada uma queixa crime para a Polícia Civil, solicitando a abertura de inquérito para apurar este e os demais casos relatados por testemunhas. “Estive na casa da acusada notificando-a pessoalmente, já ouvi testemunhas, coletei todas as provas, fotos, filmagens. Agora iremos encaminhar todo material para as autoridades para que eles decidam se a acusada responderá pelos atos praticados ou se será atestada como incapaz. Em todo caso, respondendo criminalmente ou encaminhada para manicômio judiciário, esse crime será tratado com todas as previsões legais para a espécie”, explicou Rosana Jambo.

Na noite de quarta-feira (11), a presidente da Comissão e a presidente do Grupo Resgatei, Flávia Lemos, estiveram na casa de Marlene, mais conhecida como Morena. Ela foi apontada por testemunhas como responsável por uma série de crimes, entre eles o esfaqueamento de uma cadela, que foi deixada do lado de fora da residência para morrer.

“Ela é uma criminosa e disso não tenho dúvidas. Somente para ter ciência acerca da personalidade da denunciada, os vizinhos nos disseram que ela agia de modo premeditado. Além de recolher cadelas prenhas para abrir o ventre em uma espécie de sacrifício, ela costumava cortá-las e retirava os filhotes para verificar quanto tempo sobreviviam fora do ventre. Em alguns casos ela chegava a enforcar alguns filhotes em ato de crueldade inominável”, relata a presidente.

Os vizinhos contaram ainda que a mulher era acostumada a proceder com atos de perversidade contra os animais não só na sua casa, mas em toda rua. “Eles chegaram a nos contar que ela espalhava veneno pela rua, ocasionando a morte de cães e gatos. Além de enforcar cães que adentravam em sua residência. Sem dúvida uma pessoa de alta periculosidade. Sendo distúrbio mental é sim necessária à internação compulsória”, completou Rosana Jambo.

A testemunha conhecida como Odilon Ferreira conversou com a filha da suspeita, que teria comentando que desde que a mãe começou a lidar com “feitiçaria”, cometia maus tratos com animais. Marlene teria aproximadamente 45 anos. A OAB também divulgou que ela já teria tentado envenenar um filho.

Magia negra

A presidente da comissão de Bem Estar Animal relatou o que ouviu de testemunhas. Segundo familiares e conhecidos, a mulher utilizava facas para arrancar da barriga das cadelas prenhas os filhotes que eram usados em sacrifícios de magia negra.

Rosana Jambo relatou também que o animal tinha marcas de facada em todo o corpo, inclusive nas partes íntimas. Vídeo que foi divulgado mostra o animal ensanguentado e agonizando. Vizinhos relataram que a tortura acontecia há uma semana.

Fonte: Tribuna Hoje

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.