Onça é capturada de árvore após 24 horas, em Dourados, MS

Onça é capturada de árvore após 24 horas, em Dourados, MS
Aglomeração deixou onça mais estressada em pé de árvore na Vila Rosa em Dourados

Em meio a tumulto e multidão, a onça-parda que estava em cima de um pé de jaca na Vila Rosa em Dourados finalmente foi capturada. Por volta das 12h30, após receber pelo menos cinco dardos de tranquilizante, o animal despencou da árvore, vindo a cair em uma rede de proteção. Ainda agitada, tentou escapar, mas policiais e bombeiros conseguiram a colocar numa jaula.

A onça foi encontrada por moradores por volta das 10h de ontem. Ela chegou a entrar numa residência, pulou o muro, vindo a arrebentar cerca elétrica. Desapareceu e duas horas depois foi reencontrada no pé de jaca.

Ontem mesmo o animal chegou a receber disparos de dardo tranquilizante, mas sem sucesso. Por volta das 11 de hoje, equipe do Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (CRAs) de Campo Grande chegou a Dourados. Eles trouxeram a substância zoletil, sedante de indução rápida.

Mas o grande problema foi o tumultuo no local. Embora a rua estivesse impedida para o tráfego, dezenas de pessoas não respeitaram e se aglomeraram em frente ao pé de jaca, localizado na frente de uma residência.

O 3º sargento Paulo Leandro da Costa, do Corpo de bombeiros de Campo Grande, especialista em contenção de animais, foi quem disparou o dardo que tranquilizou a onça. Ele precisou subir num guincho para se aproximar da onça. Mas o animal não chegou a ser totalmente sedado.

Segundo ele, na região de Dourados isso se torna muito comum o aparecimento de onças e outros animais, por conta de invasão de território ambiental. “Creio que com essa ocorrência, o investimento no preparo da PMA será muito maior”, diz.

A PMA informou que a competência do órgão é o de fiscalizar e não de fazer a contenção de animais, por isso tiveram que acionar o CRAs da Capital, que possui profissionais capacitados para a ação.

Fonte: Fátima News

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.