RS CaxiasDoSul ong acusa soama

ONG acusa Soama, de Caxias do Sul (RS), de maus-tratos e pede afastamento da diretoria

Movimento Gaúcho de Defesa Animal (MGDA) entrou com ação civil pública contra a entidade caxiense.

Por Carolina Klóss

Alegando maus-tratos e descaso da diretoria da Sociedade Amigos dos Animais (Soama) com os mais de 1,5 mil bichos mantidos pela entidade, o Movimento Gaúcho de Defesa Animal (MGDA) entrou com uma ação civil pública contra a ONG caxiense. Ele pede o afastamento imediato da atual diretoria, hoje composta por oito pessoas, e a criação de uma comissão de transição.

No domingo, o caso começou a repercutir na internet após a MGDA postar fotos chocantes de animais abrigados pela Soama. Nas imagens, cachorros são mostrados com doenças de pele e alguns, portadores de deficiências físicas, aparecem amarrados a correntes e vivendo sem condições de higiene. No comunicado divulgado pela ONG, a organização afirma que tem provas e testemunhos dos casos denunciados: “O que está acontecendo na sede da Soama é um flagrante desrespeito à vida e à dignidade dos animais. Estão lá negligenciados, esquecidos, muitos apodrecendo em vida, sem a mínima chance de sair daquela prisão. O que não se pode mais admitir é a situação atual de abandono e crueldade em que vivem esses animais”.

A superlotação do abrigo, a falta de funcionários e o suposto descaso com os bichos mantidos na chácara que fica em São Virgílio da 6a Légua são as principais denúncias contra a Soama, de acordo com a advogada do MGDA, Sandra Royo. A proibição de ajuda de voluntários e a má distribuição dos animais pelos três hectares também estão entre as queixas:

— A atual diretoria não promove adoções e nem campanhas para retirar os animais de correntes. Nossa ideia é investir em adoções e na construção de canis para deixá-los soltos. Hoje não existe interesse em encaminhar os bichos para adoção, já que a entidade só recebe pessoas interessadas em adotar três dias por semana e somente por duas horas.

RS CaxiasDoSul ong acusa soama2

Natasha Valenti, diretora de marketing da Soama há mais de 10 anos, concorda que a ONG sofre com a falta de estrutura, mas nega qualquer acusação de maus-tratos. Além da doação de voluntários, a entidade recebe mensalmente R$ 56 mil da Prefeitura para manter os bichos.

— Quem está na causa animal sabe das dificuldades para manter os animais. Temos enormes problemas, mas a luta é diária. Nunca negamos ajuda de voluntários, o problema é que muitos auxiliam uma ou duas vezes e não aparecem mais. Optamos por restringir os dias de visitação e de adoções porque os bichos se estressam muito com a movimentação na chácara. Faríamos feiras de adoção, mas não temos estrutura e percebemos que só estressamos os bichos na viagem. Poucos são adotados já adultos e muitos eram devolvidos, já que as pessoas adotavam por impulso durante as feiras — lamenta Natasha.

A diretora explica que as fotos postadas na página do MGDA no Facebook são recentes, mas afirma que todos os animais estão em tratamento:

— As pessoas não imaginam, mas muitos animais chegam na Soama em estado deplorável. Todos estão convidados a ver o trabalho que é realizado na entidade. Nós lutamos pelos animais e fazemos tudo pro eles.

Não há prazo determinado para a ação civil pública ser analisada pelo judiciário. A diretoria da Soama deve ser intimada para prestar explicações.

Fonte: Pioneiro

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.