Ong Ajude Anjos de Rua completa um ano de existência em João Pessoa, PB

Ong Ajude Anjos de Rua completa um ano de existência em João Pessoa, PB

O Ajude Anjos de Rua, uma organização não governamental sediada na capital paraibana, João Pessoa, focada no resgate de animais de rua e na proteção e defesa dos direitos dos animais, está completando um ano de existência. A ong, que tem à frente a protetora Fabíola Rezende, estima que, nos últimos 12 meses, já foram socorridos algo em torno de mil animais, entre cães, gatos e até equinos (cavalos, burros etc.).

“Perdemos essa conta. São tantos atendimentos que ficou difícil contabilizar”, explica Fabíola Rezende, ressaltando: “É claro que em alguns momentos os resgates são mais intensivos e em outros mais espaçados, pois os custos com transporte, atendimento veterinário, cirurgias, tratamentos, remédios, internamentos, lares temporários e rações são muito altos, e nós não possuímos um abrigo e dependemos de doações para realizar o trabalho”.

Neste um ano de vida, o Ajude Anjos de Rua cresceu, ganhou repercussão e o apoio das pessoas que se preocupam com o bem-estar dos animais. “E o lado educativo é muito importante também. Temos participado de encontros, eventos e palestras, principalmente nas escolas, onde procuramos repassar para os estudantes, para as crianças, o sentimento de respeito aos animais e de uma cultura pela paz, da não violência”.

A palestra mais recente ocorreu para os alunos do Colégio Evolução, localizado no Bairro do Miramar, em João Pessoa. “O Ajude Anjos de Rua sempre está sendo convidado para esses eventos e também tem sido objeto de pesquisas e trabalhos desenvolvidos por estudantes”, diz Fabíola Rezende, lembrando que a ong já foi “tese” de alunos do Instituto Federal da Paraíba (IFPB) e tema de trabalho, de pesquisa, de alunos da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

“Apesar das dificuldades financeiras, o importante é que o nosso trabalho continua, pois o Ajude Anjos de Rua veio para se juntar a esta maravilhosa rede de protetores independentes e de várias outras ongs da Região Metropolitana de João Pessoa que fazem um trabalho sério e bonito na defesa dos animais”, sintetiza Fabíola Rezende. “Temos muito a fazer ainda, pois o que fazemos ainda é muito pouco diante de tanto sofrimento infringido aos animais”.

Histórico

O Ajude Anjos de Rua, criado no dia 24 de novembro de 2015 e que hoje congrega milhares de seguidores nas redes sociais, se transformou oficialmente em uma organização não governamental no dia 31 de julho deste ano. Seu principal foco está nos animais que perambulam pelas ruas da capital, sem dono, sem abrigo, com fome, passando frio, calor e sede e, na maioria das vezes, sofrendo maus tratos e a falta de compaixão das pessoas.

Boa parte dos animais já resgatados foi agredida, mutilada ou torturada, alvos da maldade humana; muitos foram vítimas de atropelamento; e outros tantos simplesmente padeciam de doenças provocadas pelo abandono, negligência e pela falta de responsabilidade de seus antigos donos.

Grande parte dos resgatados hoje goza de excelente saúde e convive feliz em um lar que os adotou, proporcionando-lhes alimento, carinho, abrigo, atendimento médico-veterinário, bem-estar e alegria. “Em troca, eles retribuem felicidade, prazer e amor animal aos seus novos donos. E tudo isso só é possível graças a uma rede de apoiadores, que se comunicam constantemente por meio das redes sociais, via Facebook e Whatsapp”, informa Fabíola Rezende, fundadora e presidente do Ajude Anjos de Rua.

“O grupo nasceu de forma espontânea, sem nenhuma grande pretensão. Hoje, continuamos envolvidos nesse trabalho de resgate de animais em situação vulnerável, sem um lar, sem cuidados e sem perspectiva de uma vida digna e saudável”, diz Fabíola Rezende, lembrando que criou o grupo, utilizando as redes sociais, para encontrar uma cachorra, a Logana, que um dia, fugiu de casa e nunca mais foi encontrada.

“Passei vários dias à procura dessa minha cachorra. Fiz cartazes, prometi recompensa, andei pelas ruas de vários bairros de João Pessoa. E foi nessas andanças que fui tendo contato com a realidade dos animais abandonados da cidade. Foi daí que nasceu esse trabalho. Hoje sou uma protetora de animais. E faço isso com muita dedicação e abnegação”, revela.

Os resgates

A rede de colaboradores, apoiadores, protetores, militantes e simpatizantes do Ajude Anjos de Rua é grande, mas, na prática, os resgates são efetuados por alguns poucos. “Somos comunicados das ocorrências via rede social. Geralmente são casos de animais abandonados, atropelados ou sob maus tratos. Nos deslocamos até o local e fazemos o resgate, encaminhando o animal a uma das clínicas veterinárias parceiras. Acompanhamos o tratamento até o final; arranjamos alguém interessado na adoção do animal; e sempre monitoramos o animal na nova família”, explica Fabíola.

Atualmente, as duas clínicas veterinárias que apoiam o trabalho da ong são o Centro Médico Veterinário (CMV), no Bairro do Miramar, e o Vida Pet, no Bairro dos Bancários, ambos em João Pessoa. “Os custos são muito altos. E só conseguimos manter esse trabalho graças às doações em dinheiro via depósito bancário ou a ida de pessoas que apoiam a nossa causa às clínicas parceiras e quitam a dívida do tratamento dispensado a um gato ou a um cachorro resgatado”, explica Fabíola Rezende.

Ela informa que as doações em dinheiro vêm de toda parte, mas também aparecem em forma de sacos de ração, medicamentos e equipamentos para o bem-estar animal, como casinhas e camas de espuma. Os custos com os resgates e tratamento dos animais recolhidos também são cobertos por recursos oriundos da venda de canecas, camisetas, chaveiros e marcadores de páginas com a logomarca do Ajude Anjos de Rua, produzidos pela equipe coordenada por Fabíola Rezende.

“A nossa missão é salvar esses animais que sofrem e conscientizar a sociedade para um maior respeito aos animais, que têm sentimentos, sentem fome, sede e dor”, diz Fabíola.

Fonte: Paraíba Online 

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.