ONG alerta que é alto o número de animais adotados que são devolvidos

ONG alerta que é alto o número de animais adotados que são devolvidos

Segundo dados da ONG Proteger, de 20 animais adotados, 5 são devolvidos. Por causa das devoluções, organização tem enfrentado superlotação.

Por Juliane Peixinho

PE petrolina devolvidos1

A ONG Proteger, que atua no resgate de animais e oportuniza a adoção em Petrolina, no Sertão pernambucano, alerta que muitos animais estão sendo devolvidos. Segundo informações da organização, de cada 20 gatos e cães adotados, cinco retornam aos cuidados da Ong.

De acordo com a conselheira da Proteger, Pamela Durando, é preciso que as pessoas façam a adoção consciente dos animais. “Já são cães e gatos sofridos, tirados de uma condição triste, vítimas de maus tratos e que foram abandonados. A ONG demanda cuidados até chegar a adoção, mas o que tem acontecido é que as pessoas vão até a feira, adotam e desistem”.

Por conta das devoluções, a ONG tem enfrentado a superlotação. “Nosso espaço é limitado e quando um animal é adotado, abrimos um espaço para outro. Quando eles são devolvidos é ruim para gente e para os animais. Hoje estamos com um total de 100 animais, entre cães e gatos. Muitos em lares temporários até chegar a data das feiras de adoção. Mas não estamos em condições de abrigar todos os animais”, ressalta.

PE petrolina devolvidos2

Para evitar que ocorra as devoluções e o animal sofra com o processo, a ONG resolveu passar a cobrar a castração. “Está ficando inviável arcar com todas as castrações. Por isso, a partida próxima feira, a pessoa que for adotar vai ter que arcar com a castração. Chegou um período de dificuldade financeira e agora será uma solicitado ao adotante”, destaca.

Adoção

Os interessados comparecem a uma das feiras de adoção e preencher uma ficha de intenção. Há uma entrevista e é avaliado o interesse do candidato, bem como se a pessoa possui espaço para criar o animal e outras questões. Depois, é assinado um termo de responsabilidade.

Informações podem ser acessadas através da página da Proteger.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.