ONG contesta estudos do DNIT e aponta a BR-262 ameaça aos animais, em MS

ONG contesta estudos do DNIT e aponta a BR-262 ameaça aos animais, em MS

A instalação de radares fixos ao longo de 284,3 km da BR-262, entre Anastácio e Corumbá, não é a melhor alternativa para diminuir a mortandade de animais silvestres ao longo do trecho que atravessa o Pantanal. Contudo, é visível a redução de atropelamentos da fauna por veículos com os equipamentos em operação. Os estudos e relatos indicando essa realidade, porém, são contestados pela ONG Instituto de Conservação de Animais Silvestres (ICAS).

A organização ambientalista, em nota enviada ao Campo Grande News, questionou reportagem publicada em setembro, a qual aponta, com base em dados de monitoramentos realizados pelo Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) e informações da Polícia Rodoviária Federal e Polícia Ambiental, a redução de mortes de animais por conta de algumas medidas mitigadoras adotadas de 2012 para cá. Dentre elas, a colocação dos radares.

Por Silvio Andrade, especial para o Campo Grande News

Fonte: Campo Grande News

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.