ONG faz campanha contra matança de frangos na China no ‘Ano do Galo’

Milhões de chineses se preparam para comemorar a chegada do Ano do Galo com banquetes de carne de frango, mas a ONG de defesa dos animais Peta quer tentar impedir isto e realizou um jantar no qual esse animal não era um prato, e sim o principal convidado.

Cherry, uma galinha de dois anos que esteve a ponto de morrer abandonada quando havia acabado de sair do ovo, foi a protagonista do banquete, no qual havia pizza, bolo, hambúrguer vegano e muitos outros pratos vegetarianos que a ave compartilhou com Peipei, a menina da família que adotou o animal nos arredores de Pequim.

“Tente ser vegano, faça com que este seja um feliz ano novo para os frangos”, diziam vários cartazes na mesa do banquete, que lembrava um pouco aos atos de “indulto” dos perus na Casa Branca a cada Dia de Ação de Graças.

“Queremos contar para todo o mundo que os frangos, os galos, são como seres humanos, têm emoções e compartilham os mesmos sentimentos, portanto, como este é o Ano do Galo, queremos dar a esta galinha a oportunidade de ter uma vida feliz”, disse à agência Efe Maggie Chen, ativista da ONG Peta e organizadora do banquete.

O jantar foi feito em uma galeria de arte de Pequim, cujos diretores também se dizem grandes amantes dos animais, apenas uma semana antes de os chineses se despedirem do Ano do Macaco e darem as boas-vindas ao do Galo, na noite de 27 para 28 de janeiro.

Nesses banquetes de “Ano Novo”, anteriores à tradicional queima de fogos, o frango será o ingrediente protagonista, dada o enorme popularidade deste alimento na China, onde calcula-se que existam 50 bilhões de aves desta espécie em fazendas (quase 40 por habitante na nação mais populosa do mundo).

A Peta não tem uma tarefa simples no país onde o frango Kungpao (com amendoim e pimentas-malagueta) é quase o prato nacional, mas Chen não hesita em pedir a seus compatriotas que reprimam seus paladares: “Estes animais são tão adoráveis como nossos cachorros e nossos gatos”.

“Não importa seu ponto de vista, a saúde, os direitos dos animais… você tem muitas outras possibilidades de comida para escolher, pode ter uma dieta vegetariana se quiser”, explicou à Efe a ativista.

Alheia às declarações, Cherry, batizada assim pelo nome de seu alimento favorito (cereja, em inglês), bicava bolos, alface e os muitos alimentos dispostos para ela, dividindo com a menina Peipei, que também aproveitou o banquete.

Às vezes nervosa pela presença dos fotógrafos, Cherry esteve a ponto de semear o caos na mesa com sua agitação, mas, finalmente, desfrutou da comida de Ano Novo, enquanto a mãe de Peipei contava como tinha salvado a galinha quando ela era apenas um pintinho.

“Nem todos os frangos terão a sorte de se transformar em animais de estimação como Cherry, mas podemos ajudar se não colocarmos em nossos pratos carne e ovos”, afirmou o assessor de imprensa da Peta na Ásia, Keith Guo.

A Peta, uma organização que está presente em todo o mundo, também está preparando um ato contra o uso de orcas em espetáculos circenses, no qual participará a famosa nadadora olímpica chinesa Fu Yuanhui.

Agora resta saber se a ONG se atreverá a realizar banquetes similares em anos com animais menos dóceis que a galinha, como o tigre, em 2022, ou a serpente, em 2025.

Fonte: Terra 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.