ONG faz campanha nacional para colocar fim em charretes de tração animal em Poços de Caldas, MG

ONG faz campanha nacional para colocar fim em charretes de tração animal em Poços de Caldas, MG
ONG faz campanha nacional para colocar fim em charretes de tração animal em Poços de Caldas, MG — Foto: Reprodução/EPTV

Uma ONG de São Paulo quer colocar fim às charretes de tração animal em Poços de Caldas (MG). Para isso, a entidade criou uma ação chamada Campanha Nacional pela Liberdade dos Cavalos. A prefeitura havia anunciado a mudança das charretes para carruagens, mas ainda prepara edital para fazer a alteração.

VÍDEO: ONG faz campanha para colocar fim em charretes de tração animal em Poços de Caldas

O objetivo da ONG com a campanha é retomar as discussões sobre o tema e, também, fazer uma ação civil pública contra a prefeitura e contra a Associação dos Condutores de Charretes.

“Foi aprovado na Câmara Municipal o fim das carroças nos próximos cinco anos, mas não buscamos nos próximos cinco anos. A gente busca que essa prática seja abolida imediatamente ou no menor tempo possível. Para isso, bastaria vontade política do prefeito, apenas isso bastaria”, disse o presidente da ONG, Leandro Ferro.

O movimento afirma que os animais que puxam as charretes são vítimas de maus tratos.

“Os animais são obrigados a levar pesos excessivos no trajeto. A maioria dos animais não é acondicionado corretamente, não tem ferradura correta, os próprios elementos que agregam a charrete ao animal não estão corretos. Existam várias evidências de institutos e veterinários atestando as irregularidades e sofrimento que os animais passam”, falou Ferro.

O fim das charretes também é algo requerido por parte dos comerciantes da cidade.

“São 28 anos de luta de conscientização, contra a exploração dessa prática. Queremos a troca dos animais pelas carruagens. Estamos cobrando do prefeito, que foi uma promessa que ele fez. Por que essa morosidade?”, questionou a comerciante Cristiane Bachi.

O presidente da Comissão de Proteção à Causa Animal da OAB e do Conselho Municipal de Proteção Animal, Lucio Cassilla, chegou defender a Associação dos Protetores dos Animais de Poços de Caldas quando foi impetrada uma ação civil pública por causa de supostos casos de maus-tratos.

“Não só por questão de maus-tratos, mas por questão de trânsito, por questão de zoonose. A lei 3432, de 1983, que regulamenta a atividade, nunca foi respeitada em nenhum dos itens. Então, não tem o porque uma atividade tão maléfica ao meio ambiente ocorrer na cidade”, disse o advogado.

São quase 30 charreteiros que atuam na cidade. Eles afirmam que não há maus-tratos e que existem diversas regras dentro da associação deles justamente para garantir o bem estar dos animais.

“Nós temos de dois a três animais cada um, trabalhamos em uma escala de um dia trabalhar uma turma e no outro um grupo diferente. O cavalo, nisso, tem chance de descansar. Não tem nenhum cavalo magro, temos como provar isso com documentos”, falou o presidente da associação, Francisco Carlos Rodrigues.

Prefeitura anunciou troca de charretes de tração animal por carruagens elétricas em Poços de Caldas (MG) — Foto: Reprodução/EPTV
Prefeitura anunciou troca de charretes de tração animal por carruagens elétricas em Poços de Caldas (MG) — Foto: Reprodução/EPTV

Em Poços de Caldas, a prefeitura chegou a anunciar em 2021 que substituiria as charretes por carruagens elétricas. Em outubro do ano passado, um protótipo foi apresentado. E a prefeitura afirma que ainda este ano deve publicar um edital pra iniciar a compra desses veículos.

“As carruagens elétricas são um programa que está dentro da Aneel. Foi desenvolvido o protótipo em Poços de Caldas, em parceria com o instituto federal, a PUC e o DME. Agora, após isso, estamos desenvolvimento um edital para que possamos ao decorrer desse ano fazer de 5 a 10 unidades do protótipo para que, gradativamente, seja feita a substituição das charretes”, comentou o Secretário de Comunicação, Antônio Donizete Albino.

Ainda segundo o secretário, assim que as carruagens estiverem prontas, a prefeitura vai definir de que forma será feita a concessão para atender primeiro às pessoas que já trabalham na área.

Em São Lourenço, foi aprovada no início do mês uma lei que acaba com as charretes e segundo o Secretário de Planejamento, Daniel Donato, a lei deve ser sancionada até a próxima quarta-feira (28). Os charreteiros têm prazo de seis meses pra encerrar as atividades. Para compensar, eles vão receber R$ 30 mil e cesta básica mensal durante um ano.

Fonte: g1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.