ONG investiga trabalho forçado de macacos na colheita de coco, na Tailândia

ONG investiga trabalho forçado de macacos na colheita de coco, na Tailândia
Imagem de macaco acorrentado - Divulgação / ONG Peta Ásia

De acordo com uma investigação conduzida, pela terceira vez, pela ONG Peta Ásia, sobre a indústria de coco na Tailândia, foi denunciado que macacos são forçados a passar horas em árvores para conseguir colher os frutos. Com isso, nesta segunda-feira, 14, foi conduzido um relatório sobre os maus-tratos aos primatas.

Foram descobertas 57 operações nas quais os animais eram abusados, durante inspeções que ocorreram entre dezembro de 2021 e julho de 2022. Como noticiado pela revista Galileu, a Peta acusa a empresa alemã HelloFresh de usar leite de coco advindo do trabalho forçado de macacos.

A Peta afirmou em comunicado, a empresa se recusa a abandonar o trabalho ilegal, transferindo sua cadeia de suprimentos para fora da Tailândia:

“Apesar de saber há anos sobre o uso desenfreado de trabalho de macacos na indústria tailandesa de coco e após novas imagens da Peta Ásia denunciarem dois de seus fornecedores de leite de coco, a HelloFresh ainda se recusa a fazer a coisa certa, transferindo sua cadeia de suprimentos para fora do mercado da Tailândia”, afirma a ONG, em comunicado.

Segundo a ONG, para que colham os frutos, os animais são presos, chicoteados e espancados.

Exploração dos animais

As marcas da HelloFresh incluem Suree e Aroy-D e ambas admitiram aos investigadores que usam o trabalho de macacos. Um dos fornecedores da Aroy-D, inclusive, em pneus e áreas alagadas, manteve os primatas acorrentados em pneus que serviam de “abrigo”.

Imagem de macaco acorrentado / Divulgação / ONG Peta Ásia
Imagem de macaco acorrentado / Divulgação / ONG Peta Ásia

Foi confirmado por um dos trabalhos, que a maior parte dos animais é sequestrada de suas famílias. O dono de um dos locais visitados, alegou que comprou os macacos de fazendeiros que usam redes para sequestrar filhotes selvagens, prática ilegal no país.

Descobriu-se em uma das instalações, que macacos eram mantidos em gaiolas, longe de outros membros de sua própria espécie. Viram até mesmo um animal acorrentado e sem comida ou água por perto, em outra instalação.

“Macacos em treinamento são mantidos acorrentados com coleiras rígidas de metal em volta do pescoço”, descreve a Peta.

Também descobriu-se que os animais muitas vezes quebram seus ossos ao serem retirados das árvores ou ao caírem delas. Como informado por um funcionário da cadeia de suprimentos da Suree, os animais são obrigados a trabalhar por mais de uma década e depois passam o resto de suas vidas acorrentados.

O pedido da ONG é para que todos, inclusive a HelloFresh, deixem de comprar leite de coco enlatado da Tailândia até que os macacos não sejam mais abusados ​​para fins lucrativos.

Fonte: Aventuras na História

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.